Náutico na Série B: como joga taticamente o Brasil-RS

Por: Mateus Schuler

A cada rodada que passa, a situação do Náutico fica mais complicada na Série B do Campeonato Brasileiro. Para tentar afastar o momento ruim, o Timbu tem mais um obstáculo pela frente: na noite desta quinta-feira (10), às 21h30, duela contra o Brasil-RS – nos Aflitos – no encerramento da 27ª rodada para ganhar novo fôlego contra o rebaixamento.

Separamos para a torcida alvirrubra tudo sobre o próximo adversário: provável formação, táticas, jogadores para ficar de olho, pontos fortes e fracos e muito mais do Xavante.

Comandado por Cláudio Tencati, o time gaúcho vem a campo com força máxima para enfrentar os alvirrubros. Sem desfalques de maneira oficial, o comandante muda o esquema tático em relação ao que iniciou na derrota para o Cruzeiro, pois o atacante Dellatorre é cotado para voltar após ser poupado com um desconforto muscular, indo do 4-2-2-2 ao 4-2-3-1; em contrapartida, Tencati deixou em aberto uma alteração, com Bruno Santos podendo ser acionado na lateral-esquerda.

Xavante deve ir a campo diante do Timbu no 4-2-3-1 (Feito no TacticalPad)

COMO ATACA

Com o quarto pior ataque da competição, ao lado de Náutico e Operário, o técnico viu a equipe marcar nove dos 23 gols sob seu comando, mostrando uma evolução. Mesmo caindo uma posição na tabela, o Brasil aumentou a vantagem de três para oito pontos ao Z-4, acumulando três vitórias em sete jogos, tendo melhor encaixe do setor ofensivo.

Essa zona do campo é formada por uma trinca, composta pelos extremos e o centroavante. Matheus Oliveira é responsável por armar as jogadas, que faz os jogadores da beirada darem amplitude ou criar situações de perigo com a presença de Dellatorre na referência, pois o camisa 9 é bastante móvel e sai da área para infiltrações dos pontas.

Por vezes, os meio-campistas também chegam para ajudar, assim como os laterais em lances mais agudos. Ainda assim, pecam ao concluir, já que não conseguem chegar com o meio tão povoado, faltando peças para bater em gol com qualidade; de 188 finalizações na Segundona, 103 foram para fora, o que representa 54,8% das tentativas.

Trinca ofensiva do Xavante vem ficando mais efetiva com Tencati (Imagem: Premiere)

COMO DEFENDE

Se ofensivamente os gaúchos deixam a desejar, defensivamente já pode se dizer o contrário. Dono da terceira melhor defesa, ficando atrás somente da líder Chapecoense e do vice-líder América-MG, o Xavante tem a transição um tanto quanto desordenada, dando espaços para possíveis infiltrações em velocidade entrelinhas.

Apesar das brechas dadas, o time se posta com duas linhas de 4 com mais solidez, impedindo assim que os adversários troquem passes para buscar o ataque. Ficando com linhas médias, às vezes baixas, outras altas, pressiona a saída de bola com os homens de frente, o que faz o portador procurar algum companheiro com mais liberdade.

Nessa postura, os pontas continuam caindo abertos na faixa central, sendo preenchida ainda pelos dois volantes pelo meio. O camisa 10 geralmente se junta ao centroavante na dupla de ataque, porém pode ficar mais recuado e, assim, ter a alternância no posicionamento entre 4-4-1-1 e 4-4-2, que ajuda na transição ofensiva.

Brasil se fecha costumeiramente com duas linhas de 4 e linhas médias (Imagem: SporTV/Premiere)

PARA FICAR DE OLHO

Rafael Martins (GOL) – Segundo goleiro com menor número de jogos – nove – em que foi vazado, Rafael é uma das referências no atual elenco. Além disso, é o líder de defesas na Segundona com 91 intervenções, sendo 43 dentro da área, que o faz ser um dos principais jogadores também da competição, mesmo sem ter atuado em todas as partidas.

Matheus Oliveira (MEI) – Geralmente o jogador que veste a 10 da Xavante, Matheus é o mais importante do plantel. Com 21 confrontos disputados, o meio-campista participou de 35% dos gols marcados pela equipe, fazendo cinco e dando assistência para outros três, sendo o líder nos dois quesitos.

Dellatorre (ATA) – Contratado como o primeiro reforço para a Série B, o centroavante vem sendo um calo nas marcações adversárias. Apesar de ter feito apenas três gols e dado uma assistência, tem a movimentação como arma, o que ajuda as demais peças ofensivas a pisarem na área com frequência.

Créditos da foto principal: Tanize Sedrez/GE Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: