Náutico na Série B: como joga taticamente a Chapecoense

Por: Mateus Schuler

Com possibilidade de deixar o Z-4 provisoriamente, o Náutico tem uma árdua missão na noite desta quarta-feira (16). Desfalcado do ataque titular, o Timbu vai até Chapecó enfrentar a Chapecoense, nada mais, nada menos que a líder da Série B do Campeonato Brasileiro; a partida, válida pela 29ª rodada, será disputada às 19h15 na Arena Condá.

Separamos para a torcida alvirrubra tudo sobre o próximo adversário: provável formação, táticas, jogadores para ficar de olho, pontos fortes e fracos e muito mais do Verdão do Oeste.

Para o duelo, Umberto Louzer contará com voltas de Alan Ruschel e Paulinho Moccelin, que cumpriram suspensão na vitória ante o CRB. Em contrapartida, o treinador alviverde permanece com as ausências de Alan Santos, Anderson Leite, Ezequiel, Felipe Garcia, Luiz Otávio, Tharlis, Thiago Ribeiro e Tiepo, todos no departamento médico.

Alviverdes vão a campo com dois retornos aos titulares contra o Timbu (Feito no TacticalPad)

COMO ATACA

Com 32 gols marcados na Segundona, a Chape tem o oitavo melhor ataque, no entanto a letalidade é uma das armas. Postado no 4-1-4-1, ataca com os blocos ofensivos muito bem definidos, ainda que não possua um armador de origem para fazer a criação, mas a movimentação do centroavante Anselmo Ramon permite infiltração dos meio-campistas.

Os laterais também chegam para ajudar na armação das jogadas, apesar de não terem participação tão efetiva nas vezes que o time balançou a rede adversária. Os principais destaques nas assistências são, curiosamente, os dois pontas – Paulinho Moccelin e Aylon – da equipe, com um total de nove passes para os companheiros.

Ocorre ainda uma dinâmica das peças do setor, com os extremos alterando o lado frequentemente para tentar confundir a marcação. Os jogadores da beirada do campo não dão uma amplitude tão grande, fazendo assim com que os homens da transição cheguem agudos pelo meio e mostrando bom posicionamento para entrar na zaga.

Letal ofensivamente, o Verdão se posta em um 4-1-4-1 bem definido com apoio dos laterais (Imagem: Premiere)

COMO DEFENDE

Defensivamente, a Chape é praticamente perfeita. A equipe alviverde sofreu apenas 12 gols nos 28 jogos disputados até o momento, o que dá uma média de 0,43. Atuando como mandante, os números são ainda melhores, já que foi vazada em quatro oportunidades, se destacando muito pela compactação imposta por Umberto Louzer.

O comandante faz o Verdão do Oeste se defender com duas linhas de 4 bem definidas, além da postura supracitada, o que fecha bem os espaços para as investidas dos adversários. Com a “casinha fechada”, os alviverdes não dão brechas para infiltrações nas costas da marcação, ainda que às vezes haja o descuido.

Geralmente essa quebra ocorre na segunda linha, como foi no duelo diante do Guarani e está exemplificado na imagem abaixo. Os blocos performam baixos-médios, sem muita pressão na saída de bola, porém o destaque do setor é a justificativa daquela máxima de que “todo time começa com um grande goleiro”; João Ricardo fez 92 defesas, o segundo nesse quesito, atrás apenas de Rafael Martins, do Brasil-RS, com 93.

Mesmo dona da melhor defesa, Chape ainda peca em detalhes na compactação (Imagem: SporTV/Premiere)

PARA FICAR DE OLHO

João Ricardo (GOL) – Responsável pelo time ser o menos vazado, o goleiro é um dos principais nomes também da competição. Por conta das 92 defesas e não ter sofrido gols em 19 das 28 partidas, é o terceiro jogador com melhor média de avaliação no site SofaScore, com 7.41, atrás apenas de Mota – do Sampaio Corrêa e foi a campo em três jogos – e Carleto, que já não defende mais o Vitória.

Paulinho Moccelin (ATA) – Com participação em 31% dos gols da equipe, se mostra incansável e preenche praticamente todos os setores em campo. O atleta é meio-campista de origem, mas tem jogado mais adiantado com a camisa alviverde, marcando quatro tentos e dando assistência para outros seis; é o terceiro com mais desarmes – 70 – e fica atrás somente de Paulo Henrique – do Paraná e Guilherme Rend, do Vitória, jogadores de marcação.

Anselmo Ramon (CA) – Artilheiro da Chape na Segundona com oito gols, o experiente atacante é uma arma importante ao time de Umberto Louzer. O goleador tem boa movimentação ofensiva e ajuda também com os pivôs, ajudando com assistências – três no total – e permitindo as infiltrações das demais peças, seja pelos lados com os pontas ou pelo meio com os meio-campistas.

Créditos da foto principal: Márcio Cunha/Chapecoense

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: