Náutico na Série B: como joga taticamente o Cuiabá

Por: Mateus Schuler

A saída do Z-4 está mais próxima do que nunca. É com este pensamento que o Náutico enfrenta o Cuiabá, nos Aflitos, às 21h30, pela 31ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro; em caso de vitória, o Timbu tem possibilidade de deixar a zona de rebaixamento, ainda que de maneira provisória.

Embalada por estar quatro jogos invicta, a equipe de Rosa e Silva tem tarefa complicada, num confronto de opostos na tabela. Separamos para a torcida alvirrubra tudo sobre o próximo adversário: provável formação, táticas, jogadores para ficar de olho, pontos fortes e fracos e muito mais do Dourado.

A ausência mais sentida para o técnico Allan Aal será o meia Élvis. Maior garçom do alviverde na Segundona, com seis assistências, o jogador segue com dores musculares e é mantido como desfalque, assim como o volante Matheus Barbosa e o meio-campista Diego Jardel, enquanto o zagueiro Eduardo Kunde cumpre suspensão. Com isso, o time deve permanecer no 4-3-3, atacando no 4-1-2-3 e defendendo no 4-4-2.

Dourado deve ir no 4-3-3 com Rafael Gava mais adiantado no meio-campo (Feito no TacticalPad)

Sem os meias Elvis e Diego Jardel, a opção de criação ficou mais escassa, mas o Allan Aal emplacou três volantes nas últimas duas rodadas, com Auremir, Pierini e Gava, o que rendeu duas vitórias seguidas no mesmo formato, utilizando-se de contra-ataques, mas sem deixar de jogar com um bom volume no meio-campo

Pedro Lima, do portal Olhar Esportivo

Apoie nosso site e não perca nada sobre os times do futebol pernambucano

COMO ATACA

Quinto melhor ataque ao lado do Guarani, com 37 gols, o Cuiabá mostra que os números não são por acaso. Postado no 4-1-2-3, o Dourado preenche os espaços ao máximo, tentando povoar tanto o meio-campo, como o último terço, o que faz as peças entrarem infiltradas com mais facilidade entre as linhas de marcação do adversário.

Esses blocos do meio para frente ainda são reforçados com chegadas pelos lados com os laterais, que se alternam nas investidas. Muitas dessas jogadas são construídas com os jogadores das beiradas, o que é confirmado com as assistências ao longo da competição, sendo pouco mais da metade vindo de quem atua pela lateral.

Além disso, os auriverdes possuem um bom aproveitamento nas finalizações e redobram as atenções da defesa alvirrubra. Até agora, foram 410 chutes e apenas 162 não acertaram a barra, o que dá um total de 60,49% de sucesso. A movimentação dos atletas dá uma dinâmica diferenciada ao setor, o que muitas vezes confunde os defensores.

Dourado ataca com muita intensidade, tanto pelos lados como pelo meio (Imagem: SporTV/Premiere)

COMO DEFENDE

A estabilidade defensiva é outro trunfo dos cuiabanos e isso os mantém na disputa pelo acesso à elite. Sexta melhor defesa junto ao Juventude, com 29 gols sofridos, os mato-grossenses têm uma postura já tradicional no futebol mundial, que são duas linhas de 4 e havendo a possibilidade ainda de virar uma de 5 com o primeiro volante recuando.

As linhas geralmente jogam muito próximas, fechando espaços entrelinhas e impedindo que os adversários infiltrem em jogadas mais trabalhadas. Com a marcação mais pressão, em posicionamento médio na tentativa de impedir os ímpetos ofensivos; ainda assim, a transição defensiva por vezes é lenta e a velocidade pode ser uma arma ao ataque de quem enfrenta.

O Timbu pode tentar tirar proveito ainda na liberdade que os laterais deixam ao atacar, pois sempre atacam com muita intensidade e costumam dar as brechas ao desordenar na recomposição. Frequentemente os jogadores que jogam pelos lados pecam mais no posicionamento, já os da faixa central são mais eficientes na marcação.

Auriverdes se defendem com marcação em linhas médias tentando fechar entrelinhas (Imagem: SporTV/Premiere)

PARA FICAR DE OLHO

Auremir (VOL) – Formado na categoria de base alvirrubra, o volante tem sido um dos pilares no setor de marcação alviverde. Sendo o homem da contenção, tem conseguido desarmes importantes e ajudado a iniciar a transição ofensiva, mesmo sem ser tão efetivo nas investidas do time.

Rafael Gava (MC) – Responsável pela articulação das jogadas, fazendo a transição da defesa ao ataque, Gava é um dos nomes mais importantes do Dourado na Segundona. Além de ajudar na marcação sob pressão, o meio-campista se destaca nas chegadas ofensivas, o que o fez marcar cinco gols e dar duas assistências, sendo o segundo que mais participou nos tentos.

Élton (ATA) – Contratado junto ao Sport com a competição em andamento, o centroavante do Cuiabá é quem mais tem feito a diferença no ataque. Em 17 confrontos atuando pela equipe, ainda não serviu nenhum companheiro, no entanto assinalou oito tentos, o que dá uma incrível média de 0,47 gols por jogo.

Créditos da foto principal: Thiago Carvalho/AssCom Dourado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: