Sport no Campeonato Pernambucano: como joga taticamente o Afogados

Por: Mateus Schuler

De plano C a plano A. O Sport foca suas atenções na disputa do Campeonato Pernambucano após eliminações frustrantes na Copa do Nordeste e Copa do Brasil, que culminaram com a saída de Jair Ventura. Encara o Afogados nesta quarta-feira (7) às 20h no Vianão, no Sertão do Pajeú, pela quinta rodada do Estadual, e precisa mostrar serviço.

Leão agora gira a chave para a única competição a disputar antes do Brasileirão, buscando esquecer um 2020 sem títulos. Separamos para a torcida leonina tudo sobre o próximo adversário: prováveis formações táticas, números, pontos fortes e fracos, jogadores para ficar de olho e muito mais da Coruja.

Apoie nosso site e receba conteúdos exclusivos do seu time de coração

Sob o comando de Sérgio China, os afogadenses vivem momento bem irregular, pois venceram e perderam apenas uma vez, além de dois empates. Para a partida com os rubro-negros, uma única ausência: atacante Índio, cria da base da equipe da Praça da Bandeira, tem dores musculares. Na lateral esquerda, Thalison ganha a vaga de Janelson, em relação ao time que empatou com o Sete de Setembro.

Time sertanejo deverá manter o 4-3-3 já habitual diante do Leão (Feito no TacticalPad)

COMO ATACA

Bastante vertical, o Afogados se posta com variações ao atacar, dependendo mais de como o adversário está defendendo. Intenso, pode ficar no 4-1-2-3 se quiser ter maior presença no campo ofensivo, com constantes alternâncias entre jogadas no meio ou pelos lados, utilizando a velocidade e o poder criativo dos meio-campistas que chegam infiltrados entrelinhas, mesmo sem serem armadores de origem.

Outra possibilidade é ter uma postura mais cautelosa, apesar do desenho ser até semelhante. Ao ficar no 4-1-4-1, tende a pegar o rival desprevinido, deixando uma peça mais isolada na referência, contudo trocando o posicionamento da segunda linha para tentar confundir a marcação e mantendo como principal arma o gás de quem atue pela beirada, inclusive os laterais.

Geralmente os lances são criados ainda na defesa, com um dos volantes fazendo a saída de 3 junto aos zagueiros, assim os alas ganham mais liberdade para sair. Curiosamente, dos quatro gols marcados no campeonato, três vieram criados nos lados, seja pela direita ou esquerda, mostrando a força criativa usando as beiradas frequentemente.

Gol da Coruja contra o Sete veio originado pelo lado esquerdo ofensivo (Imagem: MyCujoo)

COMO DEFENDE

Com blocos médios, por vezes baixos, os afogadenses tentam povoar ao máximo o campo defensivo. Apesar de ficar o mais retraído possível, performa um 4-1-4-1 de variações ao 5-4-1 e 4-5-1. A alternância das primeira e segunda linha se deve ao fato de quão incisivo o ataque adversário se posta, tentando fechar espaços pelos lados ou meio.

Na maioria das situações, porém, busca ter um jogador mais adiantado para que o rival saia pelas laterais em vez de centralizar as jogadas. Assim, força a quebra do primeiro bloco de combate, deixando uma armadilha para segurar lances velozes, segurando mais solidamente os ímpetos e sem expor frequentemente a defesa ao ser agredida.

Com três gols sofridos, é o terceiro time menos vazado, atrás apenas de Salgueiro – um, e Náutico e Santa Cruz, dois ambos. O principal responsável pela segurança é o goleiro Léo, que vem se destacando com intervenções fundamentais, como na derrota para o Carcará, evitando um placar mais elástico, e no empate diante do Sete, impedindo o resultado negativo.

Tendência é dos afogadenses se postarem no 4-1-4-1 ao defenderem (Imagem: MyCujoo)

PARA FICAR DE OLHO

Léo (GOL) – Com rodagem no futebol nordestino, se consolidou melhor ao atuar no Fluminense de Feira, em 2019, sendo destaque por sofrer menos de um gol por jogo. Na Coruja, vem voltando a repetir o bom momento, evitando resultados negativos e sendo paredão, garantindo também a única vitória da equipe sertaneja no início de temporada.

Cal (VOL) – Formado na base do Náutico, o meio-campista afogadense joga mais recuado sob o comando de Sérgio China. Fazendo mais a transição entre defesa e ataque, apesar de ser volante, Cal acumula passagem pelo futebol do Chipre para tentar deixar de lado a pouca experiência. Pilar no meio-campo, é peça essencial a China.

Frank (PE) – Jogar pelo lado do campo poderia torná-lo destaque como garçom, no entanto é fazendo gols que chama atenção. Esse é Fauver Frank ou Frank. Com três tentos marcados nos quatro confrontos disputados, é a principal arma, já que tem mostrado faro de gol e bom poder de finalização; atacante da Coruja só não fez mais do que Kieza, artilheiro com cinco, e está empatado com Erick.

Crédito da foto principal: Romário Silva/Afogados FC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: