Mais uma dor de cabeça: análise Santa Cruz 0 x 0 Salgueiro

Por: Felipe Holanda

Nem as homenagens para Augusto César e Rivaldo inspiraram o Santa Cruz. Pouco criativo, o Tricolor não saiu do empate em 0 x 0 com o Salgueiro nesta quarta-feira (21), no Arruda, pela sétima rodada do Campeonato Pernambucano, deixando de reassumir a terceira colocação. Mais uma dor de cabeça para Alexandre Gallo.

Na escalação, Gallo tentou corrigir os erros e começou com Chiquinho de titular, além do prata da casa Léo Gaúcho, que “roubou” a vaga de Pipico. A base tática com a posse foi o 4-3-3 tendo amplitude dos extremos. Sem a bola, a principal aposta era o 4-4-1-1 na tentava de preencher o meio de campo e frear as investidas do Carcará.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos do seu time de coração

Formação inicial do Tricolor no Arruda (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

Quando a bola rolou, o Santa tentou impor seu ritmo com infiltrações de Madson, pela esquerda, e Maxwell, pela direita. Apesar da movimentação, faltava mais criatividade para os comandados de Gallo. Tanto que Chiquinho precisou recuar para buscar a bola e procurar a melhor opção de passe na tentativa de furar o bloqueio dos sertanejos.

Chiquinho retornando até a primeira linha para organizar o jogo (Imagem: Sportv/Premiere)

O Tricolor dominava a posse de bola e buscava infiltrações que levassem perigo à meta de César Tanaka. Já o Salgueiro, apesar de tocar pouco na bola, dava indícios de que ia reagir, principalmente com as investidas de Tarcísio, impedindo Alan Cardoso de subir ao ataque, enquanto o Mais Querido se defendia no 4-4-1-1 com flertes para o 4-1-4-1.

Formando um 4-3-3 com o apoio dos laterais e apenas Elicarlos na incumbência da marcação, a Cobra Coral buscava aproveitar os espaços deixados pelo Carcará, mas pecava na hora da finalização. Numa das tentativas, Madson pegou muito em baixo da bola e isolou.

Postura da equipe de Gallo no ataque (Imagem: Sportv/Premiere)

Vendo fragilidades em campo, Gallo colocou Pipico e Karl nas vagas de Léo Gaúcho e Marcos Vinícius, que não fizeram bom jogo. Com uma postura diferente e Karl chegando no ataque, o tricolor se postava quase num 4-2-4, mas ainda pecava na criação, recorrendo a chutes de longa e média distância; pouco depois, Arian também entrou no time.

Investida tricolor no segundo tempo (Imagem: Sportv/Premiere)

Depois daí, as chances foram acontecendo e os corais não acertavam o alvo. O tempo ia passando e o Salgueiro ficava cada vez mais tranquilo para construir jogadas. Héricles chegou até perto de marcar, mas William Alves salvou bem perto da última linha e mandou para escanteio. Na cobrança, Aruá finalizou por cima.

Postado com duas linhas de quatro, mas sem compactação, os corais davam espaço. Jordan foi o salvador da pátria mais uma vez, fazendo grande defesa e evitando o pior. No fim, poucas emoções e empate insosso, principalmente para os donos da casa.

Espaço do Santa entrelinhas defensivas (Imagem: Sportv/Premiere)

2 comentários em “Mais uma dor de cabeça: análise Santa Cruz 0 x 0 Salgueiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: