Canto tardio: análise Central 2 x 1 Salgueiro

Por: Guilherme Batista

Em um Campeonato Pernambucano para esquecer, pelo menos na primeira fase, o Central conseguiu terminar motivado. Diante do Salgueiro na tarde deste domingo (2), no Lacerdão, a Patativa voltou a cantar, mas sem avançar à fase final, mesmo vencendo por 2 x 1.

Assim, os alvinegros vão disputar o quadrangular do rebaixamento e tentar evitar a queda inédita contra Retrô, Sete de Setembro e Vitória. Já o Tricolor do Sertão segue vivo na briga pela manutenção do título, mas dessa vez na segunda fase. Pela frente, terá o Vera Cruz, que terminou como 6º colocado no Cornélio de Barros, em data a confirmar, com o vencedor enfrentando o Sport nas semifinais.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos do seu time de coração

Para o duelo, Elenilson Santos optou por mexer a formação dos caruaruenses e, pela primeira vez na temporada, a equipe entrou com três zagueiros, num 5-3-2. Do outro lado, Marcos Tamandaré, que assumiu a função de treinador depois da saída de Daniel Neri para o Sampaio Corrêa, manteve o tradicional 4-3-3.

Disposição tática das equipes no encerramento da primeira fase (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

Com blocos baixos e alternando entre um 5-3-2 e um 3-5-2, o Central impôs muita dificuldade para o setor de criação do Salgueiro. Ao mesmo tempo, a Patativa acelerava bastante quando recuperava a posse de bola e sempre explorando os lados do campo, sobretudo o lado esquerdo do Carcará, que estava com Sinho improvisado.

Logo aos dez minutos, a equipe caruaruense abriu o placar. Nininho cobrou escanteio, Allan Miguel desviou de cabeça e Lucão, de bicicleta, colocou os donos da casa em vantagem na partida. E o Central não mudou sua postura em campo, mesmo que a vitória não mudasse sua situação ao final, apesar de poder ter mais jogos como mandante no quadrangular.

Com um sistema defensivo muito seguro, o time alvinegro conseguiu levar mais perigo quando recuperava a bola, subindo os dois laterais. Além disso, o meia Diego Palhinha fez função de terceiro atacante, indo à zona ofensiva em um 3-4-3 muito agudo e intensidade ao ter a posse para pressionar em busca do segundo gol.

O Tricolor do Sertão, por sua vez, só assustou, de fato, na reta final. Primeiro foi com Tarcísio, que acabou sendo travado pela defesa do Central. Depois com Moreilândia, em chute de longa distância obrigando Wallef a fazer a defesa. Na melhor das oportunidades, após cobrança de escanteio, Napão subiu no meio da marcação e cabeceou para o camisa 1 centralino operar milagre e segurar o resultado parcial.

Atacando no 3-4-3, Central mostrou qualidade e explorou as fragilidades do Salgueiro (Imagem: MyCujoo)

Na volta dos vestiários, os sertanejos retornaram mostrando mais ímpeto e empurrando o Central contra a parede. Em uma das chances, Tarcísio deu bom cabeceio e Wallef foi buscar no ângulo. Encontrando espaços nos lados, Marcos Tamandaré acionou Robinho e Renato, este segundo retornando ao Carcará após passagem pelo Hercílio Luz.

A resposta da Patativa veio quando Erivan fez bela jogada e serviu Palhinha, que fez corta-luz para Djair, livre de marcação, finalizar fraco. Precisando do empate para garantir a terceira colocação, Marcos Tamandaré promoveu as entradas de Alison no lugar de Cássio Ortega e Daniel Passira no de Napão, respectivamente.

As mudanças, no entanto, acabaram deixando a defensiva tricolor exposta e os centralinos souberam como explorar. Palhinha tabelou com Diego Ceará e acionou Erivan, que cortou a marcação de letra e devolveu na medida para o centroavante, infiltrado na marcação, só ter o trabalho de mandar para o gol e ampliar o placar.

Quando a partida parecia já estar resolvida, o Salgueiro deu sinais de vida. Alison chutou mal, mas Renato se jogou na bola e diminuiu a desvantagem no marcador. Aos 42, Robinho quase fez uma obra de arte, ao bater colocado da quina da grande área e carimbar o travessão adversário, vendo o empate ficar por um triz.

Com a vitória, os alvinegros terminaram a primeira fase na 8ª colocação e, assim, ganhando o direito de disputar duas partidas dentro do Lacerdão no quadrangular do rebaixamento. Já o Tricolor, apesar da derrota, manteve-se na terceira posição e segue vivo rumo ao bicampeonato, buscando superar as adversidades da temporada.

Se fechando no 5-3-2, Central impôs dificuldades para o Salgueiro criar (Imagem: MyCujoo)

Créditos da foto principal: Carlos Recúpero/Central

Um comentário em “Canto tardio: análise Central 2 x 1 Salgueiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: