A dança das cadeiras dos treinadores no futebol pernambucano

Por: Felipe Holanda, Guilherme Batista e Mateus Schuler

Mexe a cadeira. Somente na primeira fase do Campeonato Pernambucano, dez treinadores já deixaram seus respectivos cargos. Tudo isso em pouco mais de dois meses. O destaque negativo foi Alexandre Gallo, que passou 12 dias no comando do Santa Cruz. Dos três grandes, apenas o Náutico de Hélio dos Anjos não trocou de técnico.

Nesta análise, o Pernambutático destrincha as passagens dos comandantes que foram demitidos, com principais movimentações táticas, estilos de jogo, números, e muito mais. A exceção da lista fica por conta do português Daniel Neri, que deixou o Salgueiro, mas não por demissão – foi anunciado como novo comandante do Sampaio Corrêa.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos do seu time de coração

A PASSAGEM METEÓRICA DE GALLO PELO ARRUDA

Nem no Brasil é comum um técnico assumir e deixar o comando de um time em menos de duas semanas. Foi o que aconteceu com Gallo, que esteve no comando da Cobra Coral em apenas três jogos, com um empate e duas derrotas. Taticamente, o treinador costumava apostar num 4-3-3 tendo a posse de bola, explorando transições rápidas e amplitude pelas bordas do campo.

Postura do Santa de Gallo no 4-3-3 (Imagem: Globo)

Defensivamente, Gallo gostava de jogar bem fechado, mas com pouca organização defensiva. Em algumas ocasiões, chegou a formar uma primeira linha de cinco, uma espécie de 5-4-1, como aconteceu na derrota para o Náutico, nos Aflitos, no jogo de estreia do treinador.

Corais tentando se compactar na defesa (Imagem: Globo)

Gallo, inclusive, foi bastante criticado diante do Timbu por ter deixado Chiquinho no banco de reservas. O treinador mudou de ideia ainda no primeiro tempo, colocando o camisa 10. Com ele, a equipe passou a jogar melhor e conseguiu diminuir a vantagem alvirrubra, mas mesmo assim amargou o revés.

O último ato de Gallo no Arruda foi com requintes de vexame. Derrota para o Sete de Setembro, então lanterna, com direito a um golaço de Grafite, nos últimos minutos, encobrindo Jordan para selar o 2 x 0 a favor dos setembrinos.

MODELO BRIGATTI POR ÁGUA ABAIXO

Antes de Gallo, João Brigatti já havia deixado o comando do Santa Cruz após início de temporada titubeante. O técnico tentou impor seu modelo de jogo, mas acabou se atrapalhando com as próprias pernas, muito por conta da fragilidade do elenco coral.

Apesar dos encalços, Brigatti largou com o pé direito ao vencer o Vitória por 2 x 0, no Arruda, no jogo de estreia. O treinador, no entanto, não conseguiu engatar uma boa sequência e foi descendo degraus. Formando um 4-2-3-1 no ataque, a equipe tricolor mostrou que era pouco produtiva com a posse e rondava a área adversária sem muita objetividade.

Santa no ataque diante do Vitória pelo Nordestão (Imagem: Fox Sports)

O ponto positivo da passagem de Brigatti pela Cobra Coral foi a única vitória do Mais Querido na Copa do Nordeste, sobre o Fortaleza, no Castelão. Fazendo um jogo inteligente, o time se fechou bem na defesa, explorando um 4-5-1, e foi premiado com um gol de Júnior Sergipano, que garantiu os três pontos.

Compactação defensiva coral (Imagem: Fox Sports)

Brigatti se despediu do comando após derrota por 1 x 0 para o Botafogo-PB na última rodada da primeira fase da Lampions. Em 53 dias de trabalho, foram quatro vitórias, dois empates e sete derrotas, acumulando um aproveitamento de 35,8%.

DOIS INTERINOS, DOIS EFETIVOS NO LEÃO

Ainda com a temporada 2020 rolando, o Sport fez a estreia no Estadual diante do Vera Cruz no 4-3-3 sob o comando interino de Ricardo Severo, do Sub-20. Defensivamente, performou um 4-3-1-2, enquanto ofensivamente fez um 4-1-2-3, com constantes investidas dos laterais. Já contra o Salgueiro, houve uma variação ao 4-2-3-1, que se manteve no ataque e alternou para 4-2-2-2 ao defender; esta foi a única derrota leonina na primeira fase.

Com Jair Ventura, remanescente após permanência na Série A, o time até saiu invicto ao empatar em 1 x 1 frente ao Santa Cruz e vencer o Central por 2 x 0. No clássico, Jair formou um 4-1-4-1, ficando no 4-1-2-3 ao atacar e 4-5-1 na defesa. Ante a Patativa, o 4-2-3-1 voltou a aparecer, mas dessa vez com duas linhas de 4 no sistema defensivo do Leão.

Leão de Ventura no 4-5-1 ante o Santa (Imagem: Globo)

A demissão de Ventura culminou em novo técnico assumindo interinamente: César Lucena, auxiliar da comissão. A estreia do ex-zagueiro rubro-negro foi com o Afogados, em empate sem gols, e o mesmo sistema de antes: uma trinca para dar suporte ao centroavante. Dessa, vez, no entanto, o meio-campo formou um triângulo, tendo dois volantes e Thiago Neves isolado na armação, desenhando um 4-2-1-3 e 4-4-2 ao defender.

Ante Vitória e Sete de Setembro, a postura defensiva voltou a se repetir, porém voltando ao 4-1-2-3 no ataque com intenso apoio dos laterais. Já no ataque, o que pôde ser observado foi uma espécie de 4-3-3 dos leoninos contra o Sete.

Investida ofensiva dos rubro-negros (Imagem: Premiere)

Já sob a batuta de Umberto Louzer, diante de Retrô e Náutico, o 4-2-3-1 foi mantido. Frente à Fênix, ainda houve leve alternância ao 4-1-4-1 no setor ofensivo, já as duas linhas voltaram a ser a tônica na defesa. Contra o Timbu, teve variação para 4-1-2-3 ao atacar e 4-4-1-1 defendendo.

ROTATIVIDADE CENTRALINA

Responsável por quase 50% das trocas de treinadores no Estado, o Central vive um ano de mais baixos do que altos. A Patativa começou a temporada com Nenê Vanucci no comando, mas o treinador sequer disputou uma partida oficial. Isso porque três dias antes do início do estadual ele entregou o cargo alegando que teria recebido uma proposta melhor.

Desta forma, Catende foi o bombeiro e iniciou o ano do clube caruaruense. Na primeira partida, diante do Náutico, o que se viu foi um Central completamente desorganizado, frágil e com um nível assustador. Foi atropelado pelo Timbu por 5 x 0 numa exibição que mais parecia jogo treino. Diante do Santa, o treinador corrigiu a postura e atuando num 4-3-1-2 conseguiu arrancar um ponto e assim entregar o bastão para o próximo comandante.

A chegada de Pedro Manta trouxe esperança ao torcedor centralino. Além da qualidade do treinador, Manta também trouxe jogadores para reforçar o frágil elenco alvinegro. A realidade, no entanto, não foi nada esperançosa. 3 partidas, 2 derrotas e um empate. O treinador optou por um 4-2-2-2, com Junior Lemos e David tentando dar mais criatividade, mas o time ficou exposto e a goleada diante do Retrô selou a demissão do treinador.

Postura centralina com Manta (Imagem: MyCujoo)

Catende voltou a assumir a equipe e comandou o Central diante de Afogados e Vitória das Tabocas, mantendo o 4-2-2-2 de Pedro Manta, mas tentando dar mais intensidade a equipe. Funcionou. Empate contra a Coruja e vitória diante do Taboquito. Ao mesmo tempo, o time anunciou a chegada de Elenilson Santos.

O comandante manteve o padrão tático em sua primeira partida, diante do Vera Cruz, mas o revés de 1 x 0 nos acréscimos da partida selou o destino da Patativa: jogar o quadrangular do rebaixamento. Na última rodada, diante do Salgueiro, o treinador começou a colocar seu dedo no time. Atuando num 5-3-2, que variou também para 3-5-2 e 3-4-3, Elenilson encontrou um modo de dar segurança defensiva e escape ofensivo. Pelo menos por enquanto.

Patativa num 5-3-2 defensivo (Imagem: MyCujoo)

PEDRO MANTA, O ANDARILHO

Da lista dos treinadores que trocaram de clube, Pedro Manta foi uma espécie de andarilho. Só em 2021, foram três times comandados por Manta, sendo dois pernambucanos. Após deixar o Central, o técnico assumiu o Sete de Setembro para tentar uma improvável classificação à segunda fase, que acabou não acontecendo.

Postando no 4-2-3-1 no ataque, Manta conseguiu melhor o desempenho setembrino mesmo com pouco tempo de trabalho. Em quatro jogos, a única vitória foi o supracitado 2 x 0 no Santa Cruz, no Arruda, que culminou com a saída de Gallo.

Sete no ataque diante do Sport (Imagem: Premiere)

OS VOOS DA FÊNIX

O Retrô teve um 2021 frustrante no Pernambucano. Comandado por Nilson Corrêa até a penúltima rodada, acabou fora do mata-mata do Estadual. Com Nilson, a equipe mostrou boas qualidades, como transições rápidas da defesa para o ataque, geralmente formando um 4-2-3-1 e explorando passes curtos e médios.

Movimentação ofensiva da Fênix (Imagem: MyCujoo)

Nilson comandou o Retrô em oito oportunidades. Foram duas vitórias (contra Brusque e Central), um empate e cinco derrotas. Após sua saída, Luizinho Vieira assumiu o comando e até venceu o Vitória por 3 x 0, mas não conseguiu se classificar às quartas de final.

DA SÉRIE D PARA A SÉRIE B

Daniel Neri é o único da lista que deixou o comando em alta. Mostrando organização, apesar da temporada conturbada do Salgueiro, o português levou o time ao mata-mata e foi anunciado como novo treinador do Sampaio Corrêa – o ex-jogador Marcos Tamandaré assumiu o comando do Carcará.

Com Neri, os sertanejos mostraram muitas virtudes, como uma marcação adiantada no campo do adversário para tentar o desarme. Variando entre o 4-1-4-1 e o 4-3-3 na defesa, conseguiu ter um sistema defensivo sólido na medida do possível.

4-3-3 em bloco alto do Carcará (Imagem: MyCujoo)

Já no ataque a aposta mais utilizada era um 4-3-3, explorando o jogo apoiado, tendo a participação dos meias, laterais e volantes para infiltrar nas linhas rivais. Pelo Estadual, foram dez gols marcados, sendo nove sob a batuta de Neri.

Jogo apoiado do Carcará (Imagem: MyCujoo)

No Carcará desde 2019, Neri estave à beira do gramado a equipe em 53 oportunidades, acumulando 22 vitórias, 18 empates e 13 derrotas. O português também foi responsável pela maior conquista da história do clube sertanejo, o Campeonato Pernambucano de 2020.

MUDANÇA PARA MELHOR DE UM LADO…

Campeão da Série A-2 em 2020, o Vera Cruz voltou à elite pernambucana após dez anos ausente. Sob o comando de Rômulo Oliveira, iniciou muito mal, perdendo para Náutico e Sport, ambos por 3 x 1; o único ponto ganho foi no clássico com o Vitória em 2 x 2. Nesses três jogos, performou no 4-3-3 como base, que por vezes foi 4-1-2-3 ou repetia a postura com duas trincas ao atacar, enquanto na defesa foi sempre um 4-1-4-1.

A sequência negativa e uma proposta mais vantajosa tiraram Rômulo do cargo, cabendo ao ex-jogador Edson Miolo resgatar as esperanças. E deu certo. Mantendo a postura ofensiva do Galo do Maués, o novo técnico mudou apenas o sistema defensivo, que passou a performar duas linhas de 4 em algumas oportunidades, sendo o 4-2-3-1 utilizado com frequência.

Galo no ataque (imagem: MyCujoo)

MEXIDA SEM SUCESSO DE OUTRO

Se o lado veracruzense de Vitória de Santo Antão está feliz, os vitorienses não podem dizer o mesmo. Apenas um triunfo, ataque menos positivo e pior defesa: esses foram os destaques negativos do Vitória. A saga começou com derrota para o Santa Cruz, ainda tendo Fernando China à frente da equipe; em três jogos, houve alternância entre o 4-2-2-2 e o 4-2-3-1 no sistema-base, sendo 4-2-1-3 no setor ofensivo e 4-4-2 no defensivo.

Taboquito se defende com duas linhas de quatro (Imagem: MyCujoo)

Já sob o comando de Laelson Lopes, o 4-2-3-1 passou a ser usado mais frequentemente e duas linhas de 4 ao ficar sem a posse, exceto na goleada sofrida pelo Náutico, quando formou um 3-5-2. Na ocasião, atacou no 3-4-3, enquanto se defendeu no 5-4-1. No revés frente ao Central, Laelson tentou ser ousado ao promover um 4-3-3 mais intenso, tendo o 4-1-4-1 na zona de ataque, porém seguindo no 4-4-2 na defesa.

Além do Náutico, só o Afogados manteve o comando técnico, com Sérgio China levando a Coruja à segunda fase. No mata-mata, os sertanejos enfrentam o Santa Cruz pelas quartas de final, próxima quarta-feira (5), no Arruda. Na outra perna, Salgueiro e Vera Cruz se enfrentam.

Um comentário em “A dança das cadeiras dos treinadores no futebol pernambucano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: