Klassificados e finalistas: análise Náutico 2 x 1 Santa Cruz

Por: Felipe Holanda

Artilheiro do Campeonato Pernambucano, Kieza foi o grande destaque da classificação do Náutico à grande final do Estadual. O K-9 fez os dois gols do triunfo alvirrubro sobre o Santa Cruz por 2 x 1 neste domingo (9), na Arena de Pernambuco, pelas semifinais. O Timbu agora espera o vencedor de Sport e Salgueiro na decisão, sonhando com o 23º título.

Na escalação da Rosa e Silva, Hélio dos Anjos veio com novidade: promoveu a entrada de Bryan, improvisado, na lateral esquerda. Rafinha iniciou no banco de reservas, mantendo o 4-2-3-1 como esqueleto tático, com variações ao 4-3-3.

Formação inicial dos comandos de Hélio (Feito no Tactical Pad)

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos do seu time de coração

Na Cobra Coral, Bolívar também tentou surpreender, colocando Breno Calixto na zaga e sacando Júnior Sergipano. No mais, manteve o mesmo time que havia vencido o Afogados, nos pênaltis, pelas quartas de final, formando um 4-3-3 clássico.

Como os corais iniciam o confronto (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

Quando o árbitro iniciou a partida, o Náutico tentou se impor, ditando o ritmo de jogo e trabalhando a posse de bola no campo de ataque. Focando as investidas pelo lado esquerdo, mesmo com Bryan improvisado, os alvirrubros conseguiam confundir a marcação coral, que tentava se fechar no 4-3-3.

Corais se fechando na defesa (Imagem: Globo)

A primeira boa chance veio com o próprio Bryan, que aproveitou o rebote e bateu firme. A bola ainda desviou de leve na zaga tricolor, o que dificultou ainda mais a defesa de Jordan e a equipe da casa começava a construir os caminhos do gol.

Gol este que veio logo depois. Hereda fez boa jogada pela direita, se desvencilhou dos marcadores na força e rolou para Kieza, livre, na pequena área. O artilheiro teve apenas o trabalho de empurrar para o fundo das redes para abrir a contagem na Arena.

Formando um 4-2-3-1, o Timbu era absoluto. Inclusive, quase fez mais um, de novo com Kieza. Jean roubou a bola e o camisa 9 saiu cara a cara com Jordan, que fez linda defesa para evitar o segundo. Uma chance de ouro perdida pela equipe de Hélio dos Anjos, que praticamente mataria o adversário.

Lance que quase resultou no segundo gol do Náutico (Imagem: Globo)

Insatisfeito, Bolívar sacou a dupla de volantes, colocando Karl e Augusto César nas vagas de Derley e Elicarlos, respectivamente. No ataque, França assumiu o posto de Bustamante na tentativa de dar mais velocidade pelos lados e equiparar o jogo.

Não deu resultado. Pouco depois, Bryan foi derrubado na grande área, Kieza cobrou pênalti com precisão e fez mais um, o nono do goleador alvirrubro, que se isolou ainda mais na artilharia da competição – o atleta mais próximo a K-9 na golearia é Ercik, também do Náutico, com cinco. .

Com dois de vantagem, os donos da casa se mantiveram firmes na defesa, com flertes para uma primeira linha de cinco. O que mais aconteceu, porém, foi o próprio 4-2-3-1, mas com Djavan se adiantando para dar o combate e marcar os meias do Mais Querido.

Compactação defensa dos Timbus (Imagem: Globo)

Numa falha de Paiva, a Cobra Coral ainda diminuiu, já nos últimos minutos. Após cruzamento na área, o paraguaio mandou contra o próprio patrimônio. No fim, quase veio o empate, mas França mandou acima da meta de Alex Alves. Emoção no fim e Náutico na final.

Créditos da foto principal: Tiago Caldas/Náutico

Um comentário em “Klassificados e finalistas: análise Náutico 2 x 1 Santa Cruz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: