Tropa de elite: análise Náutico 5 x 0 Operário

Por: Felipe Holanda e Mateus Schuler

Osso duro de roer. A tropa de Hélio dos Anjos no Náutico pegou mais um na Série B do Campeonato Brasileiro e deu passo importante rumo à elite. Se impondo nos Aflitos, Timbu massacrou o Operário por 5 x 0 nesta sexta-feira (2), carimbando ainda mais a liderança isolada na Segundona após nove rodadas.

Já sem Erick, Hélio dos Anjos fez algo diferente. As ausências de Hereda, Camutanga e Kieza fizeram o treinador acionar Bryan na lateral direita e Rafinha na esquerda, além de Carlão na zaga ao lado de Wagner. Paiva foi mantido no ataque, mas Marciel ganhou espaço, formando assim um 4-3-3 bastante ofensivo.

Como os alvirrubros iniciaram a goleada (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

Sem perder tempo, foi o Timbu quem mostrou eficiência quando chegou à frente nos minutos iniciais. Em escanteio cobrado por Jean Carlos, a bola ficou viva e, após bate-rebate, sobrou para Marciel, que soltou o pé e abriu o placar. Era só o começo.

Se fechando no 4-1-4-1, com pouco espaço entrelinhas e variações para o 4-3-3, o Náutico seguiu mandando no jogo. Quando o Fantasma tentava chegar, faltava criatividade, muito por conta da compactação alvirrubra. apesar das mudanças nas peças.

Como os alvirrubros se fechavam (Imagem: SporTV/Premiere)

O duelo seguiu no mesmo ritmo, com o Fantasma buscando chegar ao ataque, porém sem poder criativo. Já no lado alvirrubro, por outro lado, a criatividade e a pontaria eram letais, principalmente no 4-3-3 de transições rápidas.

Postura ofensiva do Timbu (Imagem: SporTV/Premiere)

Foi assim que saiu o segundo gol. Jean Carlos lançou Vinícius e o camisa 7 achou bom passe para Paiva, que limpou a marcação e bateu na saída de Simão. Um belo gol para sacramentar o triunfo, que seria ainda mais elástico.

Agudo nas transições, o Timba se manteve intenso ao ir à zona ofensiva, enquanto que os alvinegros pecaram em praticamente tudo. Apesar de Jean Carlos ter feito uma função diferente do habitual, a presença do meio em diante não mudou e levou boa vantagem ao intervalo da partida.

No segundo tempo, a sinfonia foi ainda mais afinada graças ao dueto entre Vinícius e Jean Carlos. O capitão alvirrubro deu outro passe açucarado, dessa vez arrancando pelo lado esquerdo. Jean chegou e completou para o fundo das redes, na fluidez entre o 4-3-3 e 4-2-4.

O terceiro gol Timbu (Imagem: SporTV/Premiere)

O Náutico exorcizou todos os fantasmas e fez o quarto. Depois de troca de passes envolvente, Paiva mandou para o fundo das redes e enforcou de vez o Operário. No fim, Iago Dias ainda fez o quinto, selando o passeio. Diga-se, massacre.

Créditos da foto principal: Tiago Caldas/CNC

2 comentários em “Tropa de elite: análise Náutico 5 x 0 Operário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: