Sem sinal verde: análise Sport 0 x 1 Palmeiras

Por: Mateus Schuler

O Sport até tentou, porém foi parado pelo Palmeiras. Em partida pela nona rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, disputada neste domingo (4), o Leão voltou a ter um desempenho abaixo das expectativas na Ilha do Retiro e sofreu nova derrota, chegando ao quinto jogo sem vencer e vendo o Z-4 cada vez mais próximo.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos na tela do seu celular: seja membro Vip clicando aqui

Para o confronto diante do Verdão, Umberto Louzer optou por manter o time que entrou em campo contra o Santos, na última quarta-feira (30), e ficou no empate sem gols. Assim, continuou com uma linha de 4 na defesa, enquanto o meio-campo teve Zé Welison junto a Marcão e Thiago Neves na armação; Neílton, André e Everaldo formaram o trio ofensivo.

Leoninos tiveram a mesma escalação do último duelo (Feito no Tactical Pad)

DEFESA SONOLENTA

A partida começou bastante equilibrada, porém com leve superioridade do Palmeiras, que explorou bastante a sonolência da defesa do Sport. Sem ter o poder criativo, o Leão até buscou usar o contra-ataque em velocidade, pois as linhas alviverdes eram altas e os espaços foram cedidos para infiltrações entrelinhas.

O Verdão começou a atacar mais e, vendo o sistema defensivo rubro-negro dar brechas, tentou aproveitá-las. Mesmo com o 4-2-3-1 de blocos médios, o time da Praça da Bandeira deixou Breno Lopes disparar ainda do seu próprio campo, invadir a área e bater próximo à trave. Logo depois, Danilo fez jogada individual pela direita e cruzou baixo para Scarpa – livre após Marcão falhar – completar.

No fim da etapa inicial, os pernambucanos passaram a esboçar uma reação e ficaram próximos de chegar ao empate, porém não foram efetivos. Depois de falta na pequena área, a bola bateu na mão de Raphael Veiga, contudo a arbitragem mandou seguir; em sequência, Zé Welison recebeu na meia-lua e serviu Júnior Tavares, que mandou com muito perigo.

Leão se fechou no 4-2-3-1, mas deu espaços bobos ao Verdão (Imagem: Premiere)

ATAQUE IMPRODUTIVO

Para o segundo tempo, Umberto Louzer tentou dar maior poder ofensivo aos seus comandados, sacando Everaldo para a entrada de Tréllez. A equipe até ficou mais incisivo logo no início, mas não demonstrou qualidade com a bola no pé, pois pouco criou; em uma dessas investidas, o atacante colombiano disparou rápido e serviu Neílton, que cruzou rasteiro para Thiago Neves bater e desviar na marcação saindo com perigo. Depois, Júnior Tavares levantou e Sabino cabeceou assustando.

No intuito de aumentar a ofensividade, Paulinho Moccelin entrou no lugar de Neílton e o ritmo produtivo aumentou. Zé Welison deu bom passe para André na referência e o camisa 90, com muita liberdade, girou sobre Felipe Melo e ficou de frente ao goleiro Jaílson; na hora da finalização, entretanto, falhou e chapou direto para fora.

Do meio para o fim do jogo, o comandante rubro-negro promoveu Thiago Lopes e Maxwell nas vagas de Zé Welison e André, respectivamente. O time se manteve presente ao setor ofensivo formando um 4-2-4 frequentemente, no entanto não teve a mesma criatividade do início dos últimos 45 minutos e o placar permaneceu inalterado, fazendo o Leão armargar mais uma derrota.

Leoninos subiram as linhas para atacar, mas não tiveram êxito (Imagem: Premiere)

Créditos da foto principal: Anderson Stevens/Sport

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: