Sport na Série A: como joga taticamente o Atlético-GO

Por: Mateus Schuler

Caverna do Dragão. O Sport encara o Atlético-GO para voltar a somar pontos e fugir da masmorra na Série A do Campeonato Brasileiro. Embate entre goianos e pernambucanos acontece nesta quarta-feira (7) às 19h15, no Estádio Antônio Aciolly, em Goiânia, pela 10ª rodada do Brasileirão.

Separamos tudo sobre o próximo adversário rubro-negro: principais movimentações táticas, estilo de jogo, números, informações exclusivas de um setorista, jogadores para ficar de olho, e muito mais dos atleticanos.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos na tela do seu celular: seja membro Vip clicando aqui

Para enfrentar os leoninos, os dragolinos terão os retornos de dois jogadores de certeza: lateral-esquerdo Natanael e atacante Janderson voltam a ficar à disposição após cumprirem suspensão. O meia João Paulo se recuperou de lesão, mas ainda não tem a sua presença assegurada, com Gabriel Baralhas podendo ser mantido; Eduardo Barroca deixará dúvidas até momentos antes da bola rolar.

Atlético tem algumas indefinições após vitória sobre o Grêmio (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

O ataque não tem momento positivo, sendo o quinto pior do campeonato, e perdendo a maioria das grandes chances criadas, errando 11 de 15. Apesar de não valorizar muito a posse de bola, com 46% de média, é um time que preza bastante velocidade, tendo os laterais e os extremos como armas para isso; em contrapartida, é o segundo que menos arrisca, com 6,5 finalizações por jogo e 2,8 no gol, ficando à frente apenas do Sport.

Linhas ofensivas atleticanas jogam muito próximas mesmo com a posse (Imagem: SporTV/Premiere)

Postado tradicionalmente no 4-2-3-1, o Dragão tem suas linhas próximas ao atacar, com o centroavante não fixando tanto na área e ajudando fazendo o pivô. Usando pouco a bola aérea, tem o lado do campo mais preenchido e o meia armador abrindo as jogadas, além de explorar também algumas raras investidas dos volantes.

“O Atlético adota um esquema há bastante tempo e não abre mão de um estilo fixo de jogo. Gosta de atacar com pontas de velocidade e conta muito com o apoio principalmente no lado direito com o Dudu. Neste esquema, não abre mão de ter um jogador de área, uma referência”

Pedro Henrique Geninho, repórter na Band News Goiânia

COMO DEFENDE

Segunda melhor defesa do Brasileiro com sete gols sofridos, atrás apenas do Flamengo e ao lado de Corinthians e Athletico, a equipe rubro-negra vem se destacando pela força do setor. De oito jogos disputados, não foi vazado em cinco deles, mostrando a compactação apresentada pelas peças, apesar de ter sofrido quatro gols diante do Atlético-MG.

“Tem o sistema defensivo o ponto mais forte do time. Um time que toma poucos gols e se porta muito bem, jogando com dois volantes de muita marcação. Teve uma rara exceção na derrota para o Atlético-MG, quando sofreu quatro gols, e ao perder para o Bragantino, vendo a invencibilidade de 19 jogos cair”

Pedro Henrique Geninho, repórter na Band News Goiânia

Mesmo com um 4-4-2 de blocos médio-baixos, para fazer uma transição em velocidade e apresentando segurança defensiva, o Dragão é o segundo time que menos desarma com 12,1 por partida e menos interceptações, somando média de 9,8 por confronto e à frente somente do Fluminense. Muito da força vem do meio-campo, com dois volantes fortes na marcação, pois sempre se aproximam da primeira linha e fecham espaços para infiltrações entrelinhas.

Goianos formam duas linhas de marcação bem compactadas para fechar espaços (Imagem: SporTV/Premiere)

PARA FICAR DE OLHO

Fernando Miguel (GOL) – Um dos nomes mais importantes do campeonato. O goleiro atleticano vem se destacando não somente pelo seu alto número de defesas, pois fez 26 e é o terceiro no quesito, mas também na segurança passada aos companheiros. Com boa saída do gol, tem evitado finalizações em bolas aéreas ou rasteiras, sendo o dono do maior clean sheet, não sendo vazado em cinco partidas.

Oliveira (ZAG) – Com 2,8 interceptações por jogo, é um dos responsáveis por dar solidez defensiva do Dragão. Além de ser seguro nos desarmes, tem bom posicionamento, sendo destaque principalmente nas bolas aéreas, tanto nas ofensivas como de defesa; contra o Grêmio, no último compromisso, realizou dez cortes, sendo um dos melhores em campo.

Arthur Gomes (PE) – Se o ataque tem sido o maior calo dos goianos durante o torneio, o responsável pela transição ofensiva é Arthur Gomes. Mesmo não sendo unanimidade por onde passou antes do Atlético, já criou três grandes chances e é quem dá mais velocidade do meio para frente, tendo suporte de seus companheiros no setor.

Créditos da foto principal: Bruno Corsino/ACG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: