Sport na Série A: como joga taticamente o Fluminense

Por: Mateus Schuler

Sem escape. É vencer ou morrer. Neste sábado (10), o Sport precisa de uma vitória para não apenas voltar a triunfar, mas também se afastar da zona de rebaixamento. Diante desta missão, o Leão tem como adversário o Fluminense, às 19h, na Ilha do Retiro em jogo pela 11ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

Separamos tudo sobre o próximo adversário rubro-negro: principais movimentações táticas, estilo de jogo, números, informações exclusivas de um setorista, jogadores para ficar de olho, e muito mais dos tricolores.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos na tela do seu celular: seja membro Vip clicando aqui

Poupando Egídio e Nenê para as oitavas de final da Libertadores, Roger deve manter a base tática que já vem atuando, ou seja, o 4-2-3-1. Assim, Danilo – com passagem pelos leoninos – e Ganso devem ganhar um espaço, porém o comandante do Fluzão deixará algumas indefinições para momentos antes da bola rolar; Fred, com um edema na coxa direita, está fora, enquanto Abel Hernández e Bobadilla, os substitutos diretos, também estão com problemas físicos.

Cariocas terão novidades entre os titulares por conta de lesão (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

Dono de um ataque pouco positivo, sendo o quarto que menos marcou junto a Corinthians, Atlético-GO e Chapecoense, o Fluminense busca viver melhor momento. Apesar de fazer o suficiente para estar no meio da tabela, tentará melhorar os números, já que das 8,3 finalizações por partidas apenas 4,1 vão em direção ao gol, marcando oito vezes no Brasileirão.

Fluzão tem buscado mais objetividade no setor ofensivo (Imagem: Brasileirão Play)

Postado no 4-2-3-1, o Tricolor vem jogando mais reativo com Roger Machado e tem o contra-ataque como principal arma. Tendo velocidade pelos lados e usando laterais e extremos, a equipe busca demonstrar muito dinamismo ao atacar, inclusive alternando os lados das peças para confundir a marcação adversária; também podem ocorrer inversões de bola ainda no começo da transição ofensiva.

“Desde a chegada de Roger Machado, o time joga basicamente da mesma forma. As alterações são apenas em algumas peças que estão melhores, no momento, do que outras. Quando precisa sair jogando, prefere sair pelas laterais, tendo os pontas como principais responsáveis pela criação”

Ronan Erbe, da página Eterno Campeão

O pivô do centroavante e tabelas entre os pontas junto aos meio-campistas são alternativas para os comandados de Roger já no último terço do campo. Assim, tentam preencher ao máximo a defesa rival, achando bolas infiltradas tanto pelas beiradas como centralizadas, algo que a marcação rubro-negra precisará ter muita atenção na cobertura entrelinhas.

COMO DEFENDE

Mesmo que tenham sofrido os mesmos nove gols do Sport, sendo a terceira melhor defesa, os cariocas apresentam maior solidez, pois em cinco jogos o goleiro não foi vazado. Quinto time com mais desarmes, somando 16,5 por partida, o Fluzão consegue segurar bem os ímpetos dos adversários, já que o máximo de espaço é fechado, se postando geralmente no 4-4-2.

Flu tem se defendido tradicionalmente com duas linhas e blocos baixos (Imagem: Premiere)

Outra opção, utilizada mais recentemente, é o 4-1-4-1. Sempre com os blocos altos, Roger Machado busca deixar seu centroavante e os jogadores de lado de campo pressionando a saída de bola, tentando manter as demais linhas mais adiantadas, ainda que não valorize tanto a posse, sendo a quinta pior média de posse, acumulando 44,1% por duelo.

Linhas ficam abaixo do meio-campo para ter o contra-ataque de arma (Imagem: Premiere)

“O time atua principalmente no contra-ataque, dando a bola para o adversário, fazendo uma marcação pressão. Quando não consegue roubar a bola na marcação pressão, a defesa se arruma no 4-4-2, com os pontas se alinhando com os volantes, podendo alternar ao 4-1-4-1, deixando Martinelli mais fixo no meio”

Ronan Erbe, da página Eterno Campeão

PARA FICAR DE OLHO

Samuel Xavier (LD) – Velho conhecido da torcida rubro-negra, o lateral é um dos jogadores responsáveis pela iniciação das jogadas ofensivas. Chegando ao setor ofensivo frequentemente, Samuel tem como características de mais destaque o cruzamento e o bom poder de finalização, porém tem ajudado a equipe com força na defesa.

Martinelli (VOL) – Prata da casa tricolor, o volante é um dos principais nomes no Brasileiro. Pilar do meio-campo e forte na marcação, tem colaborado nas partidas com importantes desarmes, pois é quem melhor guarda a posição, sendo quase um cão de guarda; são 2,3 desarmes por confronto, recebendo apenas um amarelo.

Cazares (MEI) – Forte na bola parada, o meia equatoriano demonstra muita versatilidade do meio para frente, atuando em múltiplas funções e posições. Por esse dinamismo, pode ser uma alternativa para incomodar a cabeça de área do Leão, além de ficar responsável pela criação de jogadas ofensivas e abrir a transição pelos lados.

Créditos da foto principal: Lucas Merçon/Fluminense F.C.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: