Sport na Série A: como joga taticamente o Flamengo

Por: Mateus Schuler

Rivalidade em 87 atos. O Sport faz confronto de algozes com o Flamengo na missão de manter a sequência sem derrota e frear o ímpeto do rival na Série A do Campeonato Brasileiro. A bola rola no próximo domingo (15) às 16h no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, pela 16ª rodada do Brasileirão.

Separamos tudo sobre o próximo adversário leonino: principais posicionamentos táticos, estilo de jogo, números, jogadores para ficar de olho, e muito mais do Mengão.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos na tela do seu celular. Seja membro Vip clicando aqui

O TIME

Para se recuperar da goleada sofrida diante do Internacional, Renato Gaúcho precisará mudar no meio e no ataque, pois Diego recebeu o terceiro amarelo e Gabigol foi expulso, ficando ambos suspensos. Além deles, o Fla não terá as presenças de Bruno Viana, Renê e Thiago Maia, que testaram para Covid-19, enquanto Rodrigo Caio e Piris da Motta estão no departamento médico.

Manutenção do sistema tático é uma das apostas de Renato (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

A dinâmica do ataque flamenguista apresenta muita intensidade. O principal conceito que é visto no comando de Renato Gaúcho é o jogo apoiado, com o máximo de progressão possível, povoando o campo adversário ao máximo. A postura mais frequente é o 4-2-3-1, tendo os laterais bastante presentes ao setor ofensivo e os zagueiros iniciando a transição.

Mesmo com amplitude de um dos extremos, Fla aposta em intensa movimentação para atacar (Imagem: SporTV/Premiere)

O apoio geralmente é curto, já que o time avança em blocos médio/altos e a troca de passes tem velocidade pela proximidade das peças. Com Renato à frente da equipe, foram disputados quatro duelos, com 13 gols marcados dos 25 no total, destacando a força proposta pelo treinador; a movimentação é o ponto mais destacável, tanto que nenhum dos quatro jogadores do setor fixa em uma posição.

Laterais são peças essenciais na construção ofensiva (Imagem: SporTV/Premiere)

A recompensa para balançar as redes é com a profundidade. A mobilidade na referência, alternando de função junto aos extremos, fazem as infiltrações serem mais agudas, abrindo espaços seja na primeira ou na segunda linha da marcação; assim, os laterais se tornam fundamentais na criação, usando o lado ou por dentro.

COMO DEFENDE

Apesar de terem sofrido uma goleada acachapante frente ao Internacional na última rodada, por 4 x 0, os rubro-negros cariocas demonstram ter muita solidez defendendo. Com blocos médio/altos, tentando forçar seu adversário a errar, consegue recuperar a posse rapidamente, pois tem velocidade para o desarme ser executado e o contra-ataque já iniciar.

Marcação flamenguista tem, frequentemente, blocos médio/altos (Imagem: SporTV/Premiere)

Na maioria das vezes, o mesmo 4-2-3-1 de base é mantido, cabendo assim a quem cai pelos lados do campo ajudar o centroavante na primeira pressão. Além disso, o armador também reforça nesse combate, o que por vezes fica um 4-2-4, fechando o máximo de espaço possível para infiltrações, inclusive entrelinhas.

Cariocas ainda podem formar duas linhas ao se defenderem (Imagem: SporTV/Premiere)

Outra alternativa, mas pouco usada, é o 4-1-4-1, com Willian Arão recuando e o atleta da referência isolado. De tal modo, as linhas até seguem adiantadas, contudo mais fixas, sem pressionar a saída. Assim, possuem a quarta defesa menos vazada, sofrendo 15 gols e dividindo a marca junto a Grêmio, Atlético-GO e Palmeiras.

PARA FICAR DE OLHO

Filipe Luís (LE) – Principal nome do sistema defensivo. Seja defendendo, com 31 desarmes, 20 interceptações e 16 cortes, ou atacando, somando 21 passes decisivos, sendo o quarto da equipe no quesito. Além disso, é o segundo que mais acertou passes no time no Brasileirão, acumulando 836 e ficando atrás apenas de Willian Arão, com 841.

Arrascaeta (MEI) – Um dos craques do campeonato. Fazendo infiltrações nas defesas adversárias, tem quatro assistências e já criou seis grandes chances, sendo também um dos garçons mais presentes à zona ofensiva; marcou, até agora, apenas um gol. Ainda assim, ajuda ao recompor para poder fortalecer a marcação, somando 16 desarmes, o único dos titulares no top-5 que não é de defesa.

Bruno Henrique (PE) – Outro dos grandes destaques do Mengão e da Série A. Geralmente aberto pela esquerda, se destaca pela velocidade imposta pelo lado do campo, sendo bastante agudo e geralmente entra facilmente entre os zagueiros e laterais. Não por acaso é um dos artilheiros do campeonato, dividindo a marca com Matheus Peixoto – que já deixou o Juventude – e Hulk, todos autores de sete gols.

Créditos da foto principal: Alexandre Vidal/Flamengo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: