$ubindo de patamar: o que esperar taticamente de Milton Mendes no Retrô

Por: Felipe Holanda e Ivan Mota

Bala na agulha. Em contratação bombástica, Milton Mendes chega ao Retrô para ser o treinador mais valioso da Série D e terá a missão de fazer a Fênix alçar voos mais altos no sonho do acesso. Seu último clube foi o Marítimo de Portugal – antes, Milton fez seu nome no futebol pernambucano, quando defendeu Santa Cruz e Sport, entre 2016, 2018 e 2019.

Nesta análise, o Pernambutático destrincha taticamente as principais características do treinador, com conceitos, modelos de jogo, pontos fortes e fracos, e tudo que se pode esperar da passagem de Milton pelo Auriazulino.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos na tela do seu celular. Seja membro Vip clicando aqui

ESTILO EUROPEU

Vindo de passagem pelo Velho Continente, Milton Mendes busca manter as características modernas que o levaram a ser um dos grandes treinadores do futebol brasileiro num passado recente. O projeto se encaixa perfeitamente nas pretensões do Retrô, que busca crescer e expandir sua marca ainda mais. A priori, o comandante deve explorar o 4-2-3-1 como esqueleto tático, algo que aconteceu nos tempos de Marítimo, em seu último trabalho autoral.

Rubro-verde em investida ofensiva (Imagem: SportTV)

O sistema pode se repetir normalmente em fase defensiva, à medida em que os homens de meio tentam adiantar as linhas para pressionar a saída de bola rival. Neste cenário, o treinador busca povoar o meio e dificultar a troca de passes, forçando o erro do adversário e tendo mais chances de conseguir recuperar a posse.

Blocos médios do Marítimo (Imagem: SportTV)

Quando não tem o domínio do jogo, o Marítimo mostrou boas compactações apesar dos 19 gols que sofreu em 14 jogos, contra apenas dez feitos sob o comando de Milton. A estratégia mais utilizada era explorar duas linhas de 4, variando entre o 4-4-2 e o mais frequente 4-1-4-1.

Postura defensiva diante do Porto (Imagem: SportTV)

O “MILTONISMO” NO RETRÔ

Em busca de retomar a boa fase na carreira, Milton Mendes volta para Pernambuco, mas dessa vez o desafio será diferente. Chegando ao Auriazulino para disputar a fase final da Série D, só terá um jogo, contra o Murici-AL, neste domingo (5), antes de iniciar o mata mata. Com pouco tempo de trabalho, ele terá como missão melhorar o futebol da Fênix. Em 13 partidas, foram quatro vitórias, apenas duas delas jogando como mandante, sete empates e duas derrotas. Tendo marcado 15 gols e levado 12.

Com o Retrô, se mantiver o esquema tático que se habituou a jogar no Marítimo, Milton deve armar o time no 4-2-3-1, formação que os pernambucanos também já utilizaram, por exemplo, no último jogo contra o Sergipe. Jogando com dois ou três volantes, um deles mais avançado, além de dois pontas velozes e um homem de referência.

Possível formação com Milton no comando (Feito no Tactical Pad)

O esquema ofensivo pode variar também para um 4-3-3. Nesse caso os volantes teriam um papel primário de marcação e se revezariam durante o jogo no papel mais ofensivo. Os retroenses também já atuaram recentemente com essa formação, contra o Atlético de Alagoinhas.

Alternativa no 4-3-3 auriazulino (Feito no Tactical Pad)

Quando o assunto é defender, Milton Mendes também é acostumado a jogar com uma linha de cinco na parte de trás do campo. Armando a equipe num 5-3-2, tendo o retorno de uma dos volantes para a linha de três zagueiros e um dos pontas fechando a linha de meio campo. Essa formação também ajuda em possíveis contra-ataques, deixando dois homens na frente, de preferência, com um deles tendo velocidade como característica.

Fênix com uma primeira linha de 5 (Feito no Tactical Pad)

Outra possibilidade é armar o time no 4-1-4-1, recuando os pontas e deixando um dos volantes acima dos zagueiros, isolando o centroavante. Um esquema menos defensivo que a linha de cinco, mas que também dá uma estabilidade maior dependendo do cenário que a equipe estiver enfrentando. Porém, esse estilo de jogo vai requerer um comprometimento grande dos pontas, ajudando na marcação e também saindo para o contra-ataque.

Postura no 4-1-4-1 em fase defensiva (Feito no Tactical Pad)

CHEGADA BADALADA

Fora dos gramados, Milton também será uma grande atração para a competição, se tornando, provavelmente, o treinador mais caro do torneio. Além de atuar pela primeira vez na divisão mais baixa do futebol nacional. Milton apareceu para o cenário brasileiro como técnico após assumir o Athletico Paranaense em 2015. O trabalho não foi dos melhores e acabou demitido após uma sequência de quatro derrotas na Série A.

Em 2016, pelo Santa Cruz, teve seu ano mais vitorioso, conquistando a inédita Copa do Nordeste e mais um Campeonato Pernambucano pelo Tricolor. Apesar de ter tido um excelente começo no Campeonato Brasileiro, pediu demissão após deixar o clube na zona de rebaixamento. Milton também teve passagens apagadas ou de pouco sucesso por Vasco da Gama, Sport e São Bento, antes de retornar a Portugal.

Créditos da foto principal: Joedson Moura/Retrô FC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: