Invasão gringa: o que esperar taticamente de Nicolás Aguirre no Sport

Por: Pernambutático

Hablar Castelhano está cada vez mais comum no Sport. Depois de Gustavo Florentín – que veio com auxiliar técnico e analista de desempenho –, o “Leon” está trazendo mais um gringo: Nicolás Aguirre. O argentino chega à Ilha do Retiro para suprir as lacunas do meio de campo de Florentín, podendo atuar em mais de uma função.

Nesta análise, o Pernambutático destrincha o que esperar do possível reforço, que ainda aguarda detalhes para ser anunciado, com principais características táticas, informações exclusivas de um setorista, números na carreira, e como Aguirre pode se encaixar no time de Florentín.

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos do seu time de coração

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Nascido em Chabás, na Província de Santa Fé, Nicolás Aguirre tem 31 anos e se tornou conhecido por desempenhar múltiplas funções. Atuando como meia central, segundo volante ou meia-esquerda, tem a finalização de média e longa distância e a chegada para cabecear na área como pontos fortes em fases ofensivas.

“Um meia que pode se transformar num volante, que pode se transformar num lateral pela esquerda. É um cara muito forte. Não espere virtuose, um cara de muitos dribles, aquela coisa toda. É um cara que chega lá na frente para bater no gol, mas com força”

Lucho Silveira, repórter esportivo

Veja a análise, em vídeo, das finalizações de Aguirre

Pelo Atlético Tucumán, seu último clube, Aguirre se encaixava bem atuando pela esquerda no 4-3-3 Decano. Não tem tanta velocidade, mas é inteligente para auxiliar na progressão de posse, além da boa visão de jogo, servindo os companheiros melhores posicionados.

Posicionamento de Aguirre no Atlético (Imagem: Fox Sports)

No Sport, entretanto, a tendência é que ele seja usado como segundo homem de meio campo, brigando por posição com Marcão ou Zé Welison próximo ao círculo central no 4-2-3-1 rubro-negro. Neste cenário, seria importante para fazer um jogo apoiado com os laterais, atacantes e meias, o que necessita de entrosamento.

Possível formação leonina com o possível reforço (Feito no Tactical Pad)

Função esta que já desempenhou no Tucumán, geralmente chegando bem para finalizar de perna esquerda, seja perto ou longe da grande área. Por lá, todavia, marcou apenas um gol, além de duas assistências, números tímidos para um meio-campista.

Argentino costuma arriscar e longe (Imagem: TyC Sports)

FACETAS DEFENSIVAS

Com bom poder de marcação, Aguirre também se destacou na defesa e costuma se encaixar bem quando a equipe se fecha com duas linhas de 4, seja no 4-4-2 ou 4-1-4-1. Fazendo o lado esquerdo, já mostrou qualidades nos desarmes nos tempos de Tucumán.

“Um cara que vai te ajudar na recomposição, que vai fazer no lado esquerdo uma combinação com quem estiver atuando no setor, um cara que pode se transformar num homem de marcação, dando sustentação”

Lucho Silveira, repórter esportivo

Veja a análise, em vídeo, das interceptações de Aguirre

No Sport, vai precisar repetir a dose. Com a transição defensiva bem ajustada por Florentín – o ponto fraco do time vem sendo o ataque -, a tendência é que Aguirre se adapte bem na Praça da Bandeira, com um porte físico favorável.

Leão com Aguirre em fase defensiva (Feito no Tactical Pad)

CURRÍCULO

Nicolás Aguirre iniciou sua carreira no Arsenal de Sarandí, desde a base até o profissional, ficando de 2007 até 2015 no clube, com uma temporada de empréstimo no Atlético Rafaela-ARG em 2011. Pelo time de Sarandí, marcou época ao conquistar três títulos entre 2012 e 2013, um Torneo Clausura, uma Supercopa Argentina e uma Copa Argentina, além de vencer a Primera B Nacional e a segunda divisão do futebol argentino, durante seu período no Rafaela.

Após 140 partidas disputadas pelo Arsenal, com 14 gols marcados, Aguirre chamou atenção do Lanús, que o adquiriu pelo valor de 875 mil euros (mais de 5 milhões de reais na cotação atual), segundo o site especializado Transfermarkt.

E foi na equipe de Buenos Aires que viveu os melhores anos de sua carreira. Além de ter sido campeão três vezes no ano de 2016, faturando o Campeonato Argentino da Primeira Divisão, a Copa Del Bicentenario e a Supercopa Argentina, foi peça integrante do elenco no vice-campeonato da Copa Libertadores de 2017, onde os argentinos foram derrotados pelo Grêmio.

Em 2018, o jogador deixou seu país de origem para jogar na China, pelo Chongqing Lifan, da primeira divisão, mas não obteve sucesso, disputando pouquíssimas partidas. No ano seguinte migrou para a Europa, onde atuou por uma temporada no Granada-ESP, que na época jogava a segunda divisão do Campeonato Espanhol. Foram apenas 17 jogos na Espanha, com um gol marcado.

Ao deixar o clube, chegou a ser especulado pelo Vasco da Gama, mas acabou retornando para sua terra natal, dessa vez para o Atlético Tucumán. Durante quase três temporadas também não conseguiu repetir o bom desempenho de outrora, sendo titular apenas em jogos de copas, totalizando 21 partidas nesse período, até ser dispensado.

Créditos da foto principal: Alejandro Pagni/Getty Images

Referências: Transfemarkt

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: