Protocolar: análise Ypiranga 0 x 0 Caruaru City

Por: Mateus Schuler

Para cumprir tabela. Foi assim que, nesta terça-feira (12), Ypiranga e Caruaru City entraram e saíram de campo no Otávio Limeira Alves em Santa Cruz do Capibaribe, fechando a 1ª fase. Ainda assim, as duas equipes se garantiram na próxima fase da Série A-2 do Campeonato Pernambucano, ficando inclusive no mesmo grupo, que terá jogos em turno único para definir os semifinalistas.

Para o confronto, a Máquina de Costura contou com a presença do estreante e experiente Mondragon no gol, mantendo a base que já vinha atuando num 4-2-3-1. O Leopardo, por outro lado, foi comandado interinamente por Arlindo Neto – Thyago Marcolino cumpriu suspensão – e teve as ausências de Grafite e Henrique, também suspensos, e a estreia de Aruá no meio do mesmo 4-2-3-1.

Escalações iniciais das equipes na última rodada (Feito no Tactical Pad)

Apoie o Pernambutático e receba conteúdos exclusivos na tela do seu celular. Seja membro Vip clicando aqui

COMO FOI

Apesar do empate ser positivo para ambos, o Ypiranga buscou fazer valer o fator casa e foi quem mostrou mais presença ofensiva desde o início. E logo no começo teve a primeira boa jogada, quando a bola sobrou na entrada da área no pé de Jair após troca de passes, que soltou o pé e acertou a trave; o rebote bateu nas costas de Igor Leonardo e saiu pela linha de fundo.

Postada no 4-2-3-1, tendo Müller Fernandes ajudando no pivô e dando gás à trinca com Rodrigo, Diogo Peixoto e Marcelo, a Máquina de Costura continuou ofensiva em campo, mas pouco criou. O Leopardo, por outro lado, decidiu ser mais cauteloso e ficou mais retraído, apostando no contra-ataque como um ponto forte.

Com os dois lados tendo raras investidas no ataque, a partida teve queda de produção, cabendo aos caruaruenses se defenderem bem e espelhando no 4-2-3-1. Já no fim da etapa inicial, conseguiram chegar próximo de balançar as redes: Candinho cruzou na pequena área e João Victor se antecipou bem a Mondragon, porém o impedimento havia sido marcado em cabeceio que foi pela esquerda da barra.

Inicialmente, caruaruenses buscaram fechar lacunas na marcação (Imagem: TV FPF)

Para a etapa final, Arlindo Neto promoveu a entrada de Matheus Manteiga na vaga de João Victor para dar nova dinâmica e formatação ao setor ofensivo. Apesar disso, o primeiro bom lance foi dos mandantes que, após cruzamento na área, reclamaram de bola na mão de Matheus Serra, entretanto o árbitro nada marcou.

Mesmo bem postada no 4-2-3-1, pressionando a saída de bola do time de Caruaru, a Máquina ficou sem criatividade e – consequentemente – espaços para levar perigo. O Leopardo mostrou cada vez mais solidez defensiva, com duas linhas de 4, fechando as brechas nas tentativas de infiltração, seja pelo meio ou nos lados.

Na reta final, Rubens Monteiro ainda tentou renovar o fôlego e modificar seu modelo de jogo, entretanto foi insuficiente para alterar o placar. Coube aos visitantes segurarem o zero no marcador, que acabou sendo ruim para os dois por não encerrarem a primeira fase na liderança da chave, pois eram os favoritos.

Azulinos chegaram ao ataque no 4-2-3-1 com proximidade dos blocos (Imagem: TV FPF)

Grupos da próxima fase, que os times duelam turno único para definir quem avança às semifinais

América
Ipojuca
Caruaru City
Ypiranga

1º de Maio
Petrolina
Íbis
Atlético

Créditos da foto principal: Diego Lambretinha/Caruaru City

Um comentário em “Protocolar: análise Ypiranga 0 x 0 Caruaru City

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: