Sport na Série A: como joga taticamente o América-MG

Por: Mateus Schuler

O início, o fim, e o meio. Como o verso de Paulo Coelho, o Sport recebe o América-MG na primeira das três “decisões” seguidas que tem pela frente e devem carimbar futuro leonino na Série A do Campeonato Brasileiro. Confronto será nesta quarta-feira (10) às 21h30, na Arena de Pernambuco, válido pela 31ª rodada.

Separamos tudo sobre o próximo adversário rubro-negro: principais posicionamentos táticos, estilo de jogo, informações exclusivas de um setorista, jogadores para ficar de olho, e muito mais dos alviverdes.

O TIME

Os americanos vão a campo praticamente com o mesmo time que perdeu para o Atlético no clássico mineiro, pois os novos desfalques não aparecem entre os 11 iniciais frequentemente. Além de Eduardo, Berrío e Carlos Alberto, Fabrício Daniel e Bruno Nazário receberam o terceiro amarelo, mantendo o 4-3-3 de Marquinhos Santos.

Base do último jogo deve ser mantida nos mineiros (Feito no Tactical Pad)

Curtindo o conteúdo? Apoie o Pernambutático clicando aqui

COMO ATACA

Apesar de ocupar o meio da tabela, o Coelho tem o sétimo pior ataque com 29 gols marcados, dividindo a marca ao lado do Fluminense. Muito se atribui à falta de pontaria da equipe, já que é quem mais perdeu grandes chances junto ao Flamengo, desperdiçando 38 oportunidades das 54 criadas no total, sendo top-5 no quesito.

Alviverdes fazem saída em 3+2, recuando um dos meias e liberando os laterais (Imagem: Brasileirão Play)

O início da criação de lances é em saída 3+2, tendo um dos meio-campistas mais recuado e os demais à frente, fazendo os laterais subirem. Outra opção é formar o 4-3-3, descendo as linhas e os extremos, adiantando os meias no círculo central para povoar o meio e tentar preencher o máximo de espaços e se infiltrar na marcação adversária.

Jogadores da beirada dão amplitude para ajudar na armação (Imagem: Brasileirão Play)

“América é um time que passa por uma mudança gradual na proposta do ataque. Com Mancini, optava mais por ataques diretos, apostando nas bolas longas e projeções dos laterais em profundidade. Agora, busca mais os momentos de ataque posicional, com um jogo apoiado. Neste sentido, o meia Alê tem sido fundamental como uma espécie de organizador e termômetro”

Lucas Bretas, repórter no Superesportes

COMO DEFENDE

Se o ataque mostra pouca efetividade, a defesa demonstra mais segurança, sendo vazada por apenas duas vezes nos três jogos com Marquinhos Santos à frente do time. É o sexto melhor sistema defensivo da competição, já que é muito combativo na marcação e para recuperar a segunda bola, quando for necessário, formando um 4-3-3 de blocos médio/altos.

Linhas de marcação sobem para induzir adversário ao erro (Imagem: Brasileirão Play)

Apesar da intensidade, há a possibilidade de recuar as peças, performando num 5-4-1, que faz o centroavante ficar mais isolado. Nessa formatação, um dos extremos fica responsável por formar a primeira linha com os defensores e o outro junto aos meio-campistas; assim, sofre menos durante o momento defensivo.

“Defensivamente, o América tem sido bastante sólido. Talvez esse seja o principal fator pra explicar a quarta colocação da equipe no returno do Brasileirão. No início dos jogos, o Coelho sempre busca sufocar o adversário a partir de uma marcação alta com encaixes individuais, fechando as opções de passe e induzindo o adversário ao erro”

Lucas Bretas, repórter no Superesportes
Fechar com cinco jogadores na primeira linha é uma opção (Imagem: Brasileirão Play)

PARA FICAR DE OLHO

Eduardo Bauermann (ZAG) – Se a defesa consegue ter bons números, muito é pelo bom desempenho apresentado pelo zagueiro. O defensor americano é o líder da equipe em interceptações, com 40 no total, e vice-líder em cortes – atrás apenas do parceiro de zaga Ricardo Silva – acumulando 87 e média de 3,2 por partida.

Juninho Valoura (MC) – A constante presença ofensiva dos alviverdes se deve ao meio-campista. Ele é quem faz a bola rodar, sendo o cérebro do time e que cria frequentemente as jogadas, pois é o líder em grandes chances criadas – sete no total – na equipe e vice-líder nas assistências, totalizando três passes para gol; além disso, aparece para finalizar, balançando as redes duas vezes.

Ademir (PD) – Apesar de não ser o centroavante, o ponta direita é o artilheiro do Coelho na Série A, justamente pela sua movimentação no setor ofensivo. Oitavo jogador com mais finalizações na competição e o de maior número de arremates nos mineiros, já foi às redes por sete oportunidades, contudo desperdiçou a mesma quantidade.

Créditos da foto principal: Marina Almeida/América

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: