“Avoando” que nem avião: análise Sport (2) 2 x 2 (4) Salgueiro

Por: Mateus Schuler

Águia do Sertão. Mesmo sendo zebra, o Salgueiro fez valer alcunha de Carcará e superou o Sport nesta quarta-feira (6), nas cobranças de pênaltis, chegando à semifinal do Campeonato Pernambucano Betsson 2022 após empate por 2 x 2 no tempo normal. Os gols do Leão foram de Janelson, contra, e Pedro Naressi; Patrick e Kady descontaram.

Para o compromisso, o treinador Gilmar Dal Pozzo abdicou do sistema tático formado por três zagueiros, como esperado e feito diante do Fortaleza. Desse modo, o 4-2-3-1 voltou a aparecer nos leoninos, inclusive repetindo a equipe que já vinha atuando anteriormente; Bruno Matias retornou à titularidade na vaga de Chico e Jáderson no lugar de Bill, pois não foi inscrito no Estadual.

Comandante optou pela volta dos “titulares” (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

A partida iniciou bastante estudada, mesmo com os dois times tendo o ritmo totalmente oposto. Mais intenso, o Sport foi para cima primeiro, mas não teve criatividade suficiente para levar perigo à meta do Salgueiro, que apostou no contra-ataque. Ainda assim, o Leão conseguiu criar bom momento tentando surpreender: Denner chutou cruzado e Everton se esticou todo para tirar pela linha de fundo.

Postado no 4-3-3, tendo apoio dos laterais e dos volantes na criação, o time rubro-negro permaneceu apresentando intensidade, porém não mostrou um bom poder criativo. Se estava complicado, piorou quando Ewerthon saiu com uma lesão muscular, pelo cansaço das últimas partidas, e Ezequiel entrou no seu lugar.

Rubro-negros foram mais presentes ao setor ofensivo (Imagem: Premiere)

Se encaixando mais dentro das quatro linhas, os leoninos deram susto com a bola parada sendo arma. Juba bateu escanteio na pequena área e Sabino — livre de marcação — cabeceou firme, contudo Léo Carioca afastou; na sobra, William Oliveira até tentou completar e o lateral-esquerdo tricolou salvou de novo.

Curtindo o conteúdo? Apoie o Pernambutático clicando aqui

Se ofensivamente nada estava dando certo, defensivamente foi o contrário. A equipe da Praça da Bandeira neutralizou as investidas salgueirenses com a defesa alternando constantemente o posicionamento, fazendo Maílson ficar mais seguro. Ora a marcação ficou no 4-5-1 — em maior frequência — tendo Denner à frente das linhas de 4, ora no 4-4-2, tendo o articulador ao lado de Búfalo.

Defensores seguraram — raras — investidas dos salgueirenses (Imagem: Premiere)

Para o segundo tempo, Dal Pozzo optou por realizar duas mudanças para dar fluidez ao meio: Denner e Bruno Matias saíram para as entradas de Naressi e Blas. Não demorou muito, inclusive, para sair a primeira boa jogada: Ezequiel avançou pela direita e cruzou direto na direção do gol, mas Everton afastou mal; na sobra, Jáderson emendou pelo alto e não aproveitou.

Apesar disso, como quem não faz, leva, o castigo veio logo na sequência. Léo Carioca lançou em profundidade ainda no campo de defesa, Sabino errou o tempo do desarme e a bola caiu no pé de Patrick. O centroavante tricolor foi esperto, passou pela marcação no corredor livre, deixou Maílson para trás e tocou para o fundo do gol.

Marcação ficou mais adiantada na etapa final (Imagem: Premiere)

A partir daí as emoções ficaram ainda mais intensas. Mesmo no desespero, o Leão quase empatou quando Juba recebeu de Vanegas na entrada da área e bateu colocado, porém Everton tirou com a ponta dos dedos. Em seguida, o Sport conseguiu o empate: Ezequiel cruzou na pequena área e Janelson, num carrinho, colocou, dentro da própria meta.

Seguindo intensos como durante a primeira etapa, os rubro-negros ficaram no 4-2-3-1 de base para buscar a virada. E alcançaram de imediato. Sander foi servido pela esquerda e levantou na área com perfeição para Naressi; o meio-campista surgiu como centroavante, cabeceou para o gol, tirando de Everton para estufar a rede. No fim, um novo duro golpe: Lucas Franco cobrou falta e Kady testou no fundo do barbante.

Postura do Leão na antes ainda no tempo normal (Imagem: Premiere)

Gol lá, gol, cá a vaga na semifinal foi decidida nos pênaltis. Foi o Carcará quem abriu a primeira série: Robinho cobrou, mas parou em grande defesa de Maílson. Ronaldo, que entrou no segundo tempo, bateu com a categoria de sempre e colocou o Sport em vantagem, pouco tempo depois. A segunda série começou com Kady, que voltou a marcar. Pelo lado rubro-negro, Sabino provou que não estava em uma grande noite e errou sua cobrança, deixando tudo em aberto.

O lateral Danielzinho foi quem iniciou a terceira série e bateu bem, no ângulo leonino. Sander também errou para os donos da casa, batendo forte, contudo parando em defesa de Everton. Em vantagem, o time sertanejo foi para a quarta cobrança. Wescley bateu com calma e também marcou. Juba converteu a sua chance, deixando nas mãos de Maílson a sobrevivência leonina, porém Lucas Franco cobrou esbanjando extrema categoria e garantiu a vaga do Carcará na semifinal contra o Retrô.

Créditos da foto principal: Rafael Vieira/FPF-PE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: