Rivaldo 50 anos: relembre passagem do craque pelo Santa Cruz

Por: Felipe Holanda e Ivan Mota

Colossal, descomunal, e mítico são apenas alguns adjetivos para traduzir a magnitude de Rivaldo para o futebol pernambucano, mais especificamente pelo Santa Cruz. Revelado na base coral, o pentacampeão mundial com a seleção brasileira completa 50 anos nesta terça-feira (19), após ter pendurado as chuteiras em 2015.

Nesta efeméride especial, o Pernambutático destrincha taticamente a passagem de Rivaldo no Mais Querido, com principais posicionamentos, números, como a joia foi se lapidando, e muito mais.

ONDE E COMO TUDO COMEÇOU

Superando obstáculos. Natural de Paulista, na Região Metropolitana do Recife, Rivaldo chegou ao Santa Cruz bastante novo. A primeira chance daquele garoto franzino e de pernas “meio tortas” no profissional veio em 1990, com apenas 18 anos, iniciando sua trajetória vitoriosa no futebol. Mas se engana quem pensa que sua carreira foi marcada apenas por glórias.

A estreia de Rivaldo vestindo as cores corais na equipe de cima, inclusive, foi um revés. Comandada pelo treinador Erandir Montenegro, a Cobra Coral acabou derrotada por 2 x 0 pelo América dentro de seus domínios; outro atleta da base que teve chance de atuar diante do Periquito foi o meia Válber.

Escalação final do duelo, com Rivaldo substituindo Lassálvia (Feito no Tactical Pad)

METAMORFOSE AMBULANTE

No ano seguinte, vieram os primeiros inícios de firmação. Rivaldo começou defendendo o Santa como ponta esquerda, atuando mais aberto pelos lados e às vezes caindo por dentro para dialogar com os homens de frente. Neste cenário, foi ganhando cada vez mais espaço no time titular, além da confiança do técnico Sérgio Cosme.

Rivaldo caindo por dentro (Imagem: Reprodução/TV Globo)

Até que uma mudança tática fez Rivaldo se tornar o jogador mais perigoso da Cobra Coral. Agora fazendo a função de centroavante, o pernambucano balançou as redes com a camisa tricolor na vitória por 1 x 0 sobre o Colatina-ES, pela Copa do Brasil. Na ocasião, o craque também marcou um gol na partida de volta, no Arruda, ambos de cabeça.

Curtindo o conteúdo? Apoie o Pernambutático clicando aqui

Rivaldo marca de cabeça, dessa vez diante do CRB (Imagem: Reprodução/TV Globo)

BRILHO NA COPA SÃO PAULO

Mesmo já atuando no profissional, Rivaldo se destacou na ótima campanha do Santa Cruz na Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 1992. Marcou três gols e foi um dos artilheiros da Cobra Coral ao lado de Serginho. Na ocasião, o Mais Querido terminou na sexta colocação, sendo eliminado nas quartas de final.

Time-base tricolor na Copinha (Feito no Tactical Pad)

Rivaldo permaneceria no Arruda até aquele mesmo ano, com um total de nove tentos assinalados em 27 partidas. Ele não era considerado uma grande promessa e acabou sendo negociado junto ao Mogi Mirim. Foi na equipe do interior paulista onde o pernambucano começou a chamar atenção nacional. Comandado por Vadão, fez parte de uma equipe que marcou época e ficou conhecido como o “Carrossel Caipira”, fazendo grandes jogos contra os maiores clubes do estado.

E O RESTO… É HISTÓRIA

Suas boas atuações chamaram a atenção do Corinthians, que o contratou por empréstimo com a possibilidade de uma futura compra, porém Rivaldo teve altos e baixos no Timão. Mesmo marcando 11 gols no Campeonato Brasileiro e sendo convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira, o alvinegro acabou não o contratando em definitivo. Foi então que em 1994 a estrela de Rivaldo realmente começou a brilhar. Ele foi contratado pelo Palmeiras, que desembolsou R$ 2,4 milhões para comprar seus direitos junto ao Mogi Mirim.

Pelo Verdão, foi o craque do Brasileirão de 1994, conquistado pelo alviverde. Por lá, ainda seria campeão estadual em 1996, derrotando o Corinthians na final e garantindo uma convocação para defender a Seleção Olímpica nos jogos de 1996, conquistando a medalha de bronze. No mesmo ano iniciou sua jornada na Europa, após ser vendido ao Deportivo La Coruña. Por lá, só atuou em uma temporada, marcando 22 tentos em 46 jogos e chamando atenção do Barcelona. O gigante espanhol pagou 26 milhões de dólares para garantir sua contratação.

E foi por lá que Rivaldo viveu o auge da sua carreira. Com 129 gols marcados em 235 partidas, entre 1997 e 2002, conquistou dois campeonatos espanhóis, uma Copa do Rei e uma Super Copa da Uefa, além de ser eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa em 1999. Nesse período, o pernambucano também conquistou suas maiores glórias pela Seleção Brasileira, vencendo a Copa das Confederações de 1997, a Copa América de 1999 e a Copa do Mundo de 2002.

Ainda antes de disputar o Mundial, sediado no Japão e na Coreia do Sul, o camisa 10 deixou o Barcelona após chegada do treinador holandês Louis van Gaal, com o qual tinha um desafeto no passado. Assim, chegou ao Milan, onde conquistou a Liga dos Campeões da temporada 2002-03. Após um período conturbado, onde chegou a ficar na reserva dos italianos, o jogador resolveu retornar ao Brasil, sendo apresentando pelo Cruzeiro como um o grande nome do time para a disputa da Libertadores de 2004.

Sob comando de Vanderlei Luxemburgo, sua passagem acabou sendo curta e decepcionante, durando apenas dez partidas, com dois gols marcados. Ele acabou saindo da Raposa junto ao treinador, que foi demitido. Deixando o Brasil, Rivaldo passou seis anos novamente na Europa, mas atuando em ligas de menor expressão. Com passagens por Olympiakos e AEK da Grécia, além do Bunyodkor do Uzbequistão, o craque conquistou diversos títulos nacionais, mas não conseguiu retomar sua carreira pela seleção, onde atuou pela última vez em 2003.

Antes de se aposentar em 2015, Rivaldo retornou ao Brasil para atuar mais uma vez pelo Mogi Mirim, onde também era Presidente, e teve a oportunidade de jogar ao lado do filho, Rivaldinho, que atualmente joga no futebol polonês. No ano seguinte, mesmo com a idade mais avançada, acertou com o São Paulo, onde disputou 46 partidas e marcou sete gols, atuando pelo Paulistão, Campeonato Brasileiro e Libertadores.

Sua passagem pelo Tricolor só durou uma temporada. Antes de pendurar as chuteiras, ainda teve curtas passagens e com poucos jogos pelo Kabuscorp de Angola e pelo São Caetano, antes de chegar para a terceira passagem no Sapão, onde finalizou sua carreira como atleta profissional, do qual foi Presidente até o ano passado.

Créditos da foto principal: Reprodução/Internet

Referências: 1992 – Participação na 23ª Taça São Paulo de Juniores e O Campeonato Pernambucano de 1990 (Final)

2 comentários em “Rivaldo 50 anos: relembre passagem do craque pelo Santa Cruz

  1. Humilde, carque,companheiro,nunca a fama ‘subiu prá cabeça’.Bom será se RIVALDO poder assumir o SANTA CRUZ-PE onde foi projetado para o mundo esportivo(da bola)…

    Curtir

  2. Rivaldo vc é um homem inteligente!,íntegro e honesto para assumir o Santa Cruz tem que sair esses pilantras que levaram o Santa Cruz ao fundo do poço

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: