Náutico na Série B: como joga taticamente o Cruzeiro

Por: Felipe Holanda

Cuscuz versus Doce de leite. Pernambucano de origem, Roberto Fernandes enfrenta seu primeiro técnico “gringo” pelo Náutico: o uruguaio Paulo Pezzolano, do Cruzeiro. Duelo entre Timbu e Raposa acontece neste domingo (15) às 16h, nos Aflitos, válido pela 7ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Separamos tudo sobre o próximo adversário alvirrubro: principais posicionamentos táticos, estilo de jogo, números, informações exclusivas de um analista, jogadores para ficar de olho e muito mais da Raposa.

O TIME

Mudanças à vista. Sem nenhum atleta suspenso, o treinador uruguaio deve promover novidades na escalação celeste, a começar pela volta do velho conhecido Neto Moura, que não pôde atuar na Copa do Brasil, pois já havia entrado em campo com a camisa do Mirassol. Em contrapartida, Bidu está fora por desgaste; meias Leo Pais e João Paulo seguem se recuperando de lesão.

Provável formação inicial dos mineiros frente ao Timbu (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

Triangulação pirâmide. O Cruzeiro costuma ir ao ataque num 3-4-3 que sempre mira transições rápidas e intensidade pelos lados, com os extremos também caindo por dentro para confundir o sistema defensivo rival. Neste cenário, o trio de ataque, formado por Jajá, na esquerda, Luvannor, à direita, e Edu, centralizado, tende a se movimentar bastante, trocando de posições.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é zeiro-343-ok.png
Postura mineira em fase ofensiva (Imagem: SporTV/Premiere)

Curtindo o conteúdo? Apoie o Pernambutático clicando aqui

O início da construção celeste passa diretamente pelos pés do tridente de zaga: Zé Ivaldo, Eduardo Brock, e Lucas Oliveira. Valorizando a posse, a equipe de Paulo Pezzolano explora uma saída 3+2, liberando alas, Bidu e Geovane Jesus, para a profundidade, criando, assim, boa parte de suas chances de marcar nesta Segundona; 3-5-2 também é uma possibilidade com a bola.

Pela Copa do Brasil, Cruzeiro busca espaços nas linhas do Remo (Imagem: Prime Video)

“Apesar da mudança para o 3-4-3, o Cruzeiro manteve padrões na fase de ataque do 4-3-3 utilizado na maior parte da temporada. Sem tantos meio-campistas criativos, a equipe de Pezzolano busca atrair o adversário para o centro do campo e abrir as jogadas para os alas ou pontas no 1×1 e então realizar os cruzamentos para Edu. Ao longo dos últimos quatro jogos, o time teve muito domínio da posse por conta disso e, também, dos volantes controlando esses rebotes para finalizar com mais espaço a partir dos passes para trás”

Gabriel Corrêa, coordenador no Footure

COMO DEFENDE

A Raposa conta com uma defesa cheia de variações. Quando ameaçada, tende a se fechar em uma linha inicial de 5, performando um 5-4-1. O time celeste geralmente apresenta transições rápidas, tendo os três zagueiros fixos na primeira linha, recebendo a companhia dos alas, enquanto os volantes e extremos recompõem na segunda; apenas Edu, o centroavante de referência, fica mais à frente

Compactação cruzeirense (Imagem: SporTV/Premiere)

Geralmente utilizando blocos médios, o “Cabuloso” pode subir a pressão com mais intensidade, utilizando um 4-1 no campo de ataque, sufocando a construção adversária logo no início e, muitas vezes, recupera a posse. Neste cenário, ocorrem deslocamentos rápidos, tirando o máximo possível de tempo do portador da bola.

Subida de blocos do adversário Timbu diante da Chapecoense (Imagem: Premiere)

“Para defender, precisamos falar do momento que o time perde a bola. Já na transição, os jogadores mais próximos da bola pressionam o adversário para tentar recupera-la. A linha de defesa formada por Brock, Zé Ivaldo e Oliveira joga bastante adiantada para limitar os passes curtos e mantém sempre uma superioridade no setor para não sofrer tanto nos contra-ataques. Se não conseguir recuperar, então se recompõe num 5-4-1 ou então, quando o adversário vai realizar um tiro de meta/saída de bola desde a defesa, pressiona em 5-3-2 com um dos pontas ao lado de Edu e o outro formando uma linha no meio-campo”

Gabriel Corrêa, coordenador no Footure

PARA FICAR DE OLHO

Rafael Cabral (GOL) – Vem passando segurança. Se o sistema defensivo do Cruzeiro apresenta bons números — apenas três gols sofridos em seis partidas da Segundona — muito se deve pelas boas atuações de seu goleiro. Arqueiro celeste também chega embalado após quatro defesas de pênalti, na última quinta-feira (12), contra o Remo, pela Copa do Brasil.

Lucas Oliveira (ZAG) – Líder do sistema defensivo ao lado de Eduardo Brock, Oliveira também consegue proteger bem a meta de Rafael Cabral. Além de suas obrigações defensivas, é um dos pilares da construção cruzeirense, com média de 57 passes certos por jogo, somando um aproveitamento de 95,7% na competição.

Edu (ATA) – Perigo constante. Artilheiro da última Série B, ainda no Brusque, Edu mantém o ritmo na Raposa e costuma aparecer em momentos decisivos. Até aqui, já foi às redes duas vezes no torneio, além de um passe para gol, sendo inevitavelmente um dos mais acionados do esquema cruzeirense no terço final.

Arte principal: Pernambutático, sobre fotos de Tiago Caldas/CNC e Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: