Mantendo o tabu: análise Sport 2 x 1 Ponte Preta

Por: Mateus Schuler

De virada. Foi sofrido, mas o Sport segue sem ser derrotado pela Ponte Preta como mandante, na história, após vencer por 2 x 1 na noite desta quinta-feira (2) na Arena de Pernambuco. Os gols do Leão foram marcados por Juba e Ray Vanegas, enquanto Lucca descontou, em partida válida pela 10ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Para o confronto diante da Macaca, o técnico Gilmar Dal Pozzo realizou uma única mudança e forçada por lesão: volante William Oliveira foi vetado com dores no joelho. Em seu lugar, o comandante optou pela cautela e promoveu a entrada de Fabinho ao lado de Bruno Matias, mantendo assim o 4-2-3-1 no time.

Escalação inicial rubro-negra para partida na Arena (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

O duelo começou bastante equilibrado, com as duas equipes se estudando e procurando espaços. Apesar de iniciar jogando mais ofensivo, o Sport não foi criativo e pouco conseguiu assustar a meta da Ponte Preta, que apostou em erros para atacar. A melhor investida rubro-negra veio após uma boa troca de passes, mas Bruno Matias errou o passe para Búfalo já na pequena área.

Precavido e sem criatividade, o Leão não conseguiu chegar ao ataque com a intensidade esperada por estar apoiado pela torcida. Mesmo formando um 4-4-2 ao não ter a bola, não conseguiu segurar os ímpetos pontepretanos e saiu em desvantagem no placar: Sabino chegou atrasado em uma dividida e derrubou Danilo Gomes; Lucca bateu seguro e estufou a rede.

Marcação mostrou fragilidades no campo defensivo (Imagem: SporTV/Premiere)

Precisando buscar o resultado, os leoninos demonstraram que não estavam perdidos e passaram a levar mais perigo em direção à meta da Macaca. Na sequência do gol sofrido, chegaram perto de igualar quando Giovanni cruzou falta na área e Búfalo subiu para cabecear, ficando no goleiro Caíque França. Na sequência, o camisa 77 recebeu bom lançamento de Maílson e encontrou Juba, que dominou e bateu para fora.

Curtindo o conteúdo. Apoie nosso projeto clicando aqui ou via pix. Chave: pernambutatico@gmail.com

A pressão persistiu durante boa parte da primeira etapa e a trave se tornou a pior inimiga. Se impondo num 4-1-4-1, tendo Fabinho fixo na cabeça de área e Búfalo na referência, próximo à segunda linha de 4, a bola quase balançou o barbante: o centroavante chileno fez bom pivô para Fabinho, que emendou de primeira e acertou a trave direita. Logo depois, Amaral afastou mal e viu a sobra cair no pé de Everton Felipe arrematar da entrada da pequena área e o arqueiro paulista desviar com a ponta dos dedos, parando no travessão.

Sem sucesso nas finalizações, pernambucanos buscaram imposição com a bola (Imagem: SporTV/Premiere)

Para o segundo tempo, Gilmar Dal Pozzo voltou com duas novidades, porém a estrutura tática não sofreu alterações: Ray Vanegas e Kayke entraram nos lugares de Giovanni e Búfalo. As substituições aumentaram o gás ofensivo e o empate ficou próximo quando Everton Felipe cruzou para Kayke cabecear, mas o goleiro alvinegro afastou. A bola parada, em seguida, foi a salvação: Juba cobrou falta na entrada da área, teve desvio de Fabrício na barreira e enganou Caíque, que nada pôde fazer.

Instigado pelo gol e empurrado pela torcida, o Sport demorou somente dois minutos para conseguir a virada. Thyere deu o lançamento ainda no campo de defesa para Kayke, que encostou para Ray Vanegas; o colombiano surgiu como uma a bala pelo lado esquerdo e soltou o pé, sem dar chances para o camisa 1 pontepretano.

Solidez defensiva durante os últimos 45 minutos (Imagem: SporTV/Premiere)

Apesar da vantagem no marcador, os leoninos passaram a ficar retraídos e os alvinegros subiram suas linhas para tentar voltar a dar um susto. E assim ficaram muito perto de empatar: Bernardo finalizou de fora da área e parou num verdadeiro milagre de Maílson, que cortou o perigo usando a ponta dos dedos.

Sem a bola, formaram um 4-5-1, mesmo tendo novas mudanças que deram ajustes tanto na fase ofensiva, como na defensiva. Ao ter a posse, entretanto, os pernambucanos performaram no 4-3-3 flertando constantemente ao 4-2-3-1. A baixa produtividade no ataque permaneceu até o apito final, que foi de muita comemoração.

Imposição no ataque variou de postura na segunda metade de jogo (Imagem: SporTV/Premiere)

Créditos da foto principal: Anderson Stevens/Sport

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: