Desentalando o grito: análise Náutico 3 x 1 Novorizontino

Por: Mateus Schuler

Fim de seca. Após mais de dois meses sem vencer como mandante na Série B do Campeonato Brasileiro, o Náutico voltou a fazer a alegria da torcida nos Aflitos. Neste sábado (2) diante do Novorizontino, pela 16ª rodada, o Timbu venceu por 3 x 1, com dois gols marcados por Richard Franco e outro por Pedro Vitor; Cléo Silva descontou.

Novidade. Sem João Paulo, suspenso, o técnico Roberto Fernandes modificou o sistema tático da última rodada, montando o Timba com uma linha de 4 na defesa. Tendo ainda Jean Carlos e Richard Franco revezando na armação, o esqueleto tático foi o 4-3-3, além dos retornos de Lucas Perri ao gol e Victor Ferraz ao meio-campo.

Escalação inicial dos alvirrubros diante dos paulistas (Feito no Tactical Pad)

COMO FOI

Avassalador. O Náutico começou o jogo a mil por hora, demonstrando estar disposto a encerrar a sequência negativa. Antes mesmo do relógio chegar a cinco minutos, Pedro Vitor cruzou rasteiro na pequena área e Geuvânio parou em boa defesa de Frigeri. Na sobra, porém, Franco teve bom posicionamento e só completou para o gol livre.

Impondo-se num 2-5-3, que alternou ao 3-4-3 conforme a posição de João Lucas, o Timbu não deu trégua ao Novorizontino e ampliou a vantagem logo em sequência. Thássio fez tabela com Jean Carlos e cruzou na pequena área tentando encontrar alguém, mas parou em Pedro Vitor, que dominou, puxou para a perna direita e bateu no ângulo, tirando do alcance do goleiro.

Imposição alvirrubra no início da partida (Imagem: SporTV/Premiere)

A vantagem segura deu tranquilidade tanto a Roberto Fernandes, como seus comandados, que passaram a valorizar mais a posse e apostar nos erros do Tigre para ampliar. Quando tudo pareceu estar em paz, Ralph saiu lesionado sentindo dores na coxa, tendo Djavan em seu lugar. Mas foi apenas um susto. Pouco depois, Geuvânio recebeu de Franco pela direita e finalizou próximo ao poste direito adversário.

Curtindo o conteúdo? Apoie nosso projeto clicando aqui ou via pix. Chave: pernambutatico@gmail.com

Fechando as possibilidades de investida dos paulistas num 5-3-2 com flertes ao 5-4-1, o Timba conseguiu controlar bem o ritmo e fechou a porta na cara, bloqueando bem os espaços. Ofensivamente, voltou a chegar apresentando intensidade e quase fez mais um: Jean Carlos foi servido por Franco no lado direito e finalizou forte para boa intervenção do arqueiro aurinegro. Depois, o chute obteve êxito; João Lucas avançou pela esquerda e finalizou mascado, contudo Franco pegou sobra na pequena área e emendou semi-voleio para o fundo do barbante.

Compactação pernambucana sem a bola (Imagem: SporTV/Premiere)

Para o segundo tempo, Geuvânio acabou sacado por dores nas costas e foi sacado do time; Niltinho entrou em seu lugar. E o primeiro bom lance veio do substituto. Franco lançou em profundidade para Niltinho, que se enrolou com a bola inicialmente, mas ganhou da marcação e bateu sem força. Frigeri não segurou e viu a bola morrer dentro de sua meta, entretanto a arbitragem deu impedimento do camisa 23.

Saindo num jogo apoiado, tendo os volantes ajudando o trio de zaga, o time pernambucano formou um 3+2 para dar liberdade aos alas de adiantarem e propor maior ritmo. Assim, Roberto Fernandes promoveu também a entrada de Rhaldney no lugar de Franco, fazendo Jean Carlos focar mais na criação e ter segurança no meio-campo.

Organização do Timbu para construção ainda no campo de defesa (Imagem: SporTV/Premiere)

A partida foi ficando sem muita emoção, principalmente pela vantagem que o Timba construiu ao longo do duelo. Apesar disso, o Tigre passou a ir para o ataque tentando ao menos esboçar reação pelo gol de honra. E conseguiu. A marcação alvirrubra ficou desatenta em lateral levantado na pequena área, Quirino fez bom pivô e Cléo Silva bateu colocada no canto esquerdo.

Variando entre 4-4-2 e 5-3-2 ao ficar sem a bola, a equipe de Rosa e Silva foi mais cautelosa depois do susto. Fechou melhor os espaços, inclusive com as saídas de João Lucas e Victor Ferraz, cansados, por Diego e Júnior Tavares, o que manteve a proposta defensiva até o fim, garantindo a quebra do jejum de vitórias.

Compactação defensiva durante o segundo tempo (Imagem: SporTV/Premiere)

Créditos da foto principal: Tiago Caldas/CNC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: