Sport na Série B: como joga taticamente o Vila Nova

Por: Mateus Schuler

Na força da Ilha. Sexto melhor mandante da competição com 70,8% de aproveitamento, o Sport recebe o lanterna Vila Nova para fazer dever de casa e voltar a se aproximar do G-4 na Série B do Campeonato Brasileiro. Partida está marcada para esta segunda-feira (18) às 20h, no Recife, válida pela 18ª rodada.

Separamos tudo sobre o adversário rubro-negro: principais posicionamentos táticos, estilo de jogo, números, informações exclusivas de um setorista, jogadores para ficar de olho, e muito mais do Colorado.

O TIME

Indefinido. Por conta do pouco tempo de preparação, pois foi derrotado pelo CSA na última sexta-feira (15), o Tigre ainda não tem escalação confirmada. Muito se deve pela sequência negativa da equipe, abrindo a possibilidade de terem três volantes entre os titulares, assim como na referência do ataque. A única certeza é a volta de Alex Silva à lateral direita, já que a negociação ao futebol do Irã melou.

Goianos ainda possuem dúvidas para encarar os leoninos (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

Pouco produtivo. Ser lanterna não é por acaso, já que o Vila Nova fez apenas 11 gols, um abaixo do próprio Sport e dividindo a marca junto a CSA, Guarani e Ponte Preta. O baixo aproveitamento nos chutes é um dos principais reflexos da fase complicada que o Vila vive, sendo o quinto time com maior número de finalizações — 256 no total — e tem 83 acertos, equivalentes a 32,4%.

Volantes recuam e ajudam durante transição ofensiva (Imagem: SporTV/Premiere)

Trabalhando desde a defesa em jogo apoiado, fazem a transição na saída 4+2, com a dupla de volantes se aproximando a linha defensiva, além das aproximações das peças do meio em diante. Assim, há manutenção do seu 4-2-3-1 de base, deixando geralmente os extremos responsáveis por dar a amplitude.

Curtindo o conteúdo? Apoie nosso projeto clicando aqui ou via pix. Chave: pernambutatico@gmail.com

Extremos são constantemente acionados em fase ofensiva (Imagem: SporTV/Premiere)

“O Vila passou um longo período sem marcar gol com bola rolando. É o pior ataque, apesar de Arthur Rezende sempre conseguir municiar bem os companheiros de setor ofensivo durante as transições, que são exploradas tanto pelos lados, como por dentro”

Paulo Massad, repórter na Rádio Sagres

COMO DEFENDE

Problemas à vista. Dono da segunda defesa mais vazada desta Série B, com 20 gols sofridos em 81 arremates na direção da sua meta, sendo quase 25% de aproveitamento. Nos dois confrontos à frente do Colorado, Allan Aal viu a rede da equipe goiana balançar em três oportunidades, precisando ajustar a compactação.

Compactação defensiva em blocos médios quando mandante (Imagem: SporTV/Premiere)

“A tendência é que o time entre, contra o Sport, mais precavido e tendo a possibilidade de jogar com três volantes. Isso gera a opção de Ralf ganhar a vaga no meio-campo junto a Rafinha e Arthur Rezende, buscando deixar o setor mais povoado para controlar o jogo”

Paulo Massad, repórter na Rádio Sagres

Ao ficar sem a bola, o Colorado se costuma fechar num 4-5-1 e é esperada a manutenção da postura caso vá a campo com três volantes. Desse modo, as peças da beirada recompõem junto aos meio-campistas, já o centroavante se isola e tenta fazer a pressão na saída adversária. Outra opção é formar o 4-4-2 de blocos médios, tendo o meia mais armador ao lado do atacante de área.

Goianos podem ficar ainda mais recuados se necessário (Imagem: SporTV/Premiere)

PARA FICAR DE OLHO

Rafael Donato (ZAG) – Sustentação. Mesmo com os números ruins no setor, o defensor vem desempenhando boas atuações. Nos 16 jogos que disputou até o momento, totaliza 59 cortes, sendo o vice-líder da equipe no quesito, além de ter 39 interceptações. Forte na bola aérea ofensiva e defensiva, é uma das armas para ajudar o time.

Arthur Rezende (MC) – Polivalente. Armador de origem, Arthur tem atuado na cabeça de área do Tigre, mas sendo o responsável por fazer a ligação entre defesa e ataque. Dos seus pés, já foram criadas três grandes chances e uma assistência, além de ser o homem da bola parada. Chutando tanto de curta, como de média distância, já marcou quatro gols, dando 40 finalizações.

Rubens (ATA) – Faro de gol. Caso seja titular, pois briga com Daniel Amorim pela vaga, pode ser a esperança para o setor ofensivo. Nos últimos três jogos que disputou, balançou as redes duas vezes, sendo a última na derrota para o CSA na rodada passada. Mostrando boa movimentação na pequena área, surge quase sempre como opção de passe.

Créditos da foto principal: Roberto Corrêa/Vila Nova

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: