Náutico na Série B: como joga taticamente o Brusque

Por: Gabryele Martins

Lá vem o pato. Em confronto para ver o que ainda há de possível na Série B do Campeonato Brasileiro, o Náutico recebe o Brusque nos Aflitos. Jogo do Timbu diante do Marreco será válido pela 29ª rodada e disputado nesta sexta-feira (8), às 21h30.

Separamos tudo sobre o adversário alvirrubro: principais posicionamentos táticos, estilo de jogo, números, informações exclusivas de um setorista, jogadores para ficar de olho, e muito mais do Quadricolor.

O TIME

O confronto contra o Timba será o primeiro desafio do técnico Gilson Kleina, já que chegou ao time catarinense um dia antes do duelo com o Vasco. Para a partida, o treinador deve ter dificuldades quanto à escalação, já que possui muitos desfalques por lesões. À exceção de Diego Jardel, que retorna do DM e está sem ritmo, não há meias armadores disponíveis. Também voltando de contusão, Pará deve ser o titular como lateral-direito, já os meio-campistas Álvaro, Crislan, Patrick e Taliari, e os laterais Edílson e Airton estão lesionados.

Provável formação inicial dos time das quatro cores (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

Apesar de estar na parte de baixo da tabela, o Brusque é o segundo maior finalizador da Série B, perdendo apenas para o Bahia. Com 128 finalizações certas — média de 4,57 — e 18 gols marcados em 28 rodadas, o Marreco tem volume criativo em fase ofensiva, mas não consegue ser efetivo e “brinca” de perder gols. Até o momento, finalizou errado 233 vezes, o que totaliza 8,32 por jogo.

Postura dos catarinenses com a bola já no campo ofensivo (Imagem: Premiere)

Curtindo o conteúdo? Apoie nosso projeto clicando aqui ou via pix. Chave: pernambutatico@gmail.com

O ataque dos catarinenses deixa muito a desejar, já que seus jogadores mais adiantados perdem muitas chances e não conseguem exercer a marcação alta nos adversários, sobrecarregando o setor defensivo. Na construção das jogadas, costumam formar uma linha de 4 para garantir segurança e variar com a posse, podendo alternar entre 4-2-3-1, tendo o meio povoado, e 4-2-4, exercendo pressão na defesa adversário para induzir ao erro e encontrar o caminho do gol.

Quadricolor pode formar quarteto no último terço (Imagem: Premiere)

“O ponto fraco do Brusque é seu ataque, marca muito pouco e é um dos piores do campeonato. Os atacantes Fernandinho e Alex Sandro vêm jogando há muito tempo, mas também não marcam e podem ser substituídos no comando do ataque da equipe de Gilson Kleina”

Jerry de Oliveira, repórter da rádio CM Esportes

COMO DEFENDE

Com 25 gols sofridos — 0,89 por jogo — em 28 rodadas, o sistema defensivo do Quadricolor sofre com desfalques e inconstâncias, apesar de não ser calo ao novo comandante. A solução acaba sendo improvisar para poder suprir a ausência dos jogadores de origem, tanto que a lateral esquerda do Brusque já está no seu terceiro nome; a lateral direita vinha sendo do zagueiro Éverton Alemão, que cumpriu satisfatoriamente na vaga de Pará e poderá atuar pelo setor.

Duas linhas de 4 dos catarinenses em fase defensiva (Imagem: Premiere)

Com a postura combativa pretendida por Gilson Kleina, o Marreco tende a se postar firme sem a bola e se apoiar no setor de marcação para neutralizar os avanços do Náutico. Para estruturar a defesa de forma mais compactada, os catarinenses apostam num meio de campo povoado, abusando da pressão defensiva e variando entre 4-4-2, tendo dois jogadores adiantados, e 4-5-1, o que deixa um centroavante isolado.

Meio mais povoado para tentar evitar troca de passes (Imagem: Premiere)

“O destaque positivo do Brusque é o forte poder de marcação. Rodolfo Potiguar e Balotelli chamam atenção pelo alto índice de desarmes e por serem muito fortes tecnicamente. Ambos deram conta do recado dentro no sistema tático jogado com o ex-técnico e contra o Vasco”

Jerry de Oliveira, repórter da rádio CM Esportes

PARA FICAR DE OLHO

Éverton Alemão (ZAG) – Versátil. O jogador de 29 anos, contratado pelo time quadricolor em 2019 vindo do São José-RS, se tornou uma peça essencial. Por ser polivalente, podendo atuar tanto na zaga, quanto improvisado na lateral direita, consegue ter bom desempenho. O zagueiro tem demonstrado bom posicionamento, se destacando nos duelos no chão e aéreos.

Rodolfo Potiguar (VOL) – Cão de guarda. No Brusque desde 2019, o jogador de 34 anos é o nome das roubadas de bola nesta Série B. Com 63 desarmes certos em 24 partidas, o atleta é essencial ao setor de marcação do Marreco. Além do posicionamento, que garante vantagem no combate 1 x 1, o volante tem um passe preciso, que costuma originar jogadas decisivas.

Alex Sandro (CA) – Artilheiro. Vindo do Asan Mugunghwa, da segunda divisão da Coreia do Sul, o jogador de 27 anos divide a artilharia na Segundona pelos catarinenses junto ao meia Diego Jardel. Dono de um excelente controle de bola, soma três gols e uma assistência nos 22 jogos que atuou pelo Brusque. Forma dupla de ataque ao lado de Fernandinho e, apesar do jejum de gols, pode ser importante para o setor ofensivo de Kleina.

Créditos da foto principal: Jefferson Alves/Brusque FC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: