Praticamente imparável: análise Santa Cruz 1×0 Botafogo-PB

Por: Felipe Holanda

O Santa Cruz venceu a quarta seguida pela Série C do Campeonato Brasileiro. Fez 1×0 no Botafogo-PB neste domingo (25) no Arruda, pela 10ª rodada, e já caminha a passos largos rumo à primeira colocação geral da fase inicial. A Cobra Coral está praticamente imparável.

Na prancheta de Marcelo Martelotte, o Santa se postou inicialmente no 4-3-2-1, com velocidade pelos extremos e qualidade no passe pelo meio, com o objetivo de quebrar as linhas defensivas do Belo.

Formação base inicial da Cobra Coral (Feito no Tactical Pad)

Em seus domínios, o Mais Querido tratou se impor logo cedo. Após boa jogada, Didira converteu pênalti sofrido por Jáderson e deixou os pernambucanos em vantagem.

Com o gol, o meia coral chegou à liderança de participações em gols do time, com cinco gols e seis assistências. O Tricolor poderia ter ampliado, mas pecou em finalizações importantes. Além disso, viu o Belo atacar com parcialidade em algumas situações e correu perigo.

No segundo tempo, o time paraibano cresceu e passou a querer mais jogo. A marcação do Santa deu espaço na grande área e por pouco não levou o empate.

Brecha dada pelos pernambucanos (Imagem: DAZN)

Mesmo com apenas um gol de vantagem, a Cobra Coral recuou no fim do jogo, chegando a formar uma primeira linha de cinco para conter as investidas do Botafogo. No fim, deu Santa mais uma vez.

Santa no 5-2-3 (Imagem: DAZN)

FICHA DO JOGO

Santa Cruz: Luiz Fernando (Jordan); Toty, Danny Morais, William Alves e Perí (Leonan); Bileu, Paulinho (André) e Didira; Jáderson (Kleiton), Lourenço (Tinga) e Pipico. Técnico: Marcelo Martelotte.

Botafogo-PB: Felipe; Kellyton (David Batista), Luís Gustavo (Donato), Rodrigo e Christianno (Mário); Vitinho, Juninho, Higor Leite (Mineiro) e Rodrigo Andrade; Cristian (Fernando Júnior) e Ramon. Técnico: Rogério Zimmermann

Créditos da foto principal: Rafael Melo/Santa Cruz

Soma mais três, chefia: análise Central 1×0 Freipaulistano

Por Guilherme Batista e Mateus Schuler

Os seis empates em sete jogos disputados no primeiro turno da Série D do Campeonato Brasileiro deram um pouco de dúvidas na cabeça da torcida do Central. Na tarde deste domingo (25), diante do Freipaulistano pela 9ª rodada, a Patativa manteve a invencibilidade e chegou à terceira vitória consecutiva ao vencer pelo placar mínimo, com gol de Lucão.

O primeiro tento como profissional do jovem zagueiro deixou os alvinegros na vice-liderança do Grupo 4, somando agora 15 pontos. O próximo adversário será o Vitória da Conquista, no Lomanto Júnior, no próximo sábado (31) às 16h; posição na tabela pode ser alterada com o duelo dos baianos frente ao Itabaiana, que será realizado nesta segunda-feira (26), às 15h30, no Etelvino Mendonça.

Sílvio Criciúma retornou Patativa ao 4-2-2-2 (Feito no Tactical Pad)

O JOGO

Apesar de ter engatado uma boa sequência, o Central passou dificuldades no primeiro tempo. A postura tática da equipe caruaruense era até boa, mas nem mesmo as duas linhas de quatro foram suficientes para impedir que o Freipaulistano assustasse. Maiores descuidos defensivos da Patativa eram na entrelinha, pois a marcação cedeu muitos espaços.

Um dos momentos que a defesa alvinegra vacilou e quase vê o placar sofrer alterações no Lacerdão. Cabralzinho tabelou com Dinda e entrou sozinho na área para chutar, porém Jerfesson fechou bem o ângulo e deixou o meia dos sergipanos sem opção, evitando que fosse encoberto e mantendo o zero no marcador.

Central cedeu espaços na entrelinha defensiva durante todo o primeiro tempo (Imagem: MyCujoo)

Para a etapa final, Sílvio Criciúma não mudou nada na escalação, contudo o ânimo da Patativa já estava diferente; o time começou a criar melhor e dar menos liberdade ao Freipa de atacar. Com a pressão mudando de lado, o Central teve a bola parada como arma crucial: Doda levantou falta na área e o zagueiro Lucão subiu mais alto que os adversários, aproveitando a brecha e marcou pela primeira vez como profissional

Apesar do resultado favorável, os centralinos tiveram uma baixa importante: o atacante Leandro Costa saiu machucado e Sílvio optou por alinhar um 4-1-4-1. Com isso, a equipe passou a baixar mais a linha de marcação e sair nos contra-ataques, usando a velocidade como alternativa. Foi em uma jogada assim que Robinho explorou falha da defesa do Touro e serviu Aruá, porém o meia alvinegro chutou assustado e sobre a meta, perdendo boa chance de fazer um triunfo maior, mas com a manutenção do placar.

Patativa passou a se portar no 4-1-4-1 para usar o contra-ataque (Imagem: MyCujoo)

Os demais pernambucanos participantes da competição também foram a campo neste fim de semana. No sábado (24), o Salgueiro duelou frente ao Campinense, no Cornélio de Barros, e venceu por 2 x 0, enquanto o Afogados foi até Cajazeiras visitar o Atlético-PB e foi derrotado pelo mesmo resultado neste domingo (25); ambos são do Grupo 3.

Ficha do jogo

Central: Jerfesson; Leanderson Polegar, Lucão, Filipe Costa (Gleidson Sena) e Evandro; Hebert e Janderson Maia; Aruá (Euller) e Doda (Fernando Pires); Leandro Soares (Adaílson) e Leandro Costa (Robinho). Técnico: Sílvio Criciúma

Freipaulistano: Igor; Rhuan, Rogério (Acássio), Hitalo e Anderson; Renato (Luan) e Jhonnattan (Ramalho); Dinda (Washington) e Helton Luiz; Anselmo e Cabralzinho (Matheus Primo). Técnico: Givanildo Sales

Gol: Lucão para o Central

Imagem prinicipal: Carlos Recúpero/ASCOM Central

Timbu tropeça na Raposa de Felipão: análise Náutico 1×1 Cruzeiro

Por: Felipe Holanda

O Náutico tropeçou e somou apenas um ponto no empate com o Cruzeiro, neste domingo (25), pela 18ª rodada da Série B. Melhor em campo durante todo o jogo, o Timbu sofreu o gol que selou o 1 x 1 aos 40 do segundo tempo.

Em campo, inicialmente, o alvirrubro se postou no 4-3-1-2, com Jean Carlos próximo de Vinícius e Kieza na última linha e Kevyn como novidade na lateral esquerdo, já que Wilian Simões estava suspenso.

Formação inicial do Náutico ante os celestes (Feito no Tactical Pad)

Nos primeiros minutos, Rhaldney apareceu como principal válvula na transição ofensiva dos pernambucanos, além de fazer a função de líbero quando preciso. O cabeça de área foi o principal destaque do Timbu nos primeiros minutos.

Meio-campista Timbu participou efetivamente nos primeiros minutos (Imagem: Sportv)

Com Rhaldney recuando, o Náutico povova o meio de campo à procura de espaços na defesa mineira, com os laterais chegando na amplitude e os atacantes puxando a marcação.

Até que Vinícius, em seu segundo jogo pelo time dos Aflitos, deixou sua marca. Investiu pela esquerda e, mesmo marcado de perto por dois e com a linha defensiva da Raposa bem montada, acertou um lindo chute para abrir o placar no Eládio de Barros Carvalho.

Lance do gol que abriu o placar nos Aflitos (Imagem: Sportv)

À frente do placar, o Náutico continuou pressionando, investindo nos lançamentos para os atacantes. Com o Cruzeiro no 5-2-3, Jean Carlos acionou Kieza e o gol quase saiu.

Chance de perigo do Timbu (Imagem: Sportv)

Na etapa final, o ritmo seguiu. Comandado por Juninho Lola, já que Kleina testou positivo para a Covid-19, o Timbu criou algumas chances de perigo à meta de Fábio, que foi um dos melhores em campo.

Uma das principais chances foi com Erick, que penetrou na grande área celeste. O prata da casa alvirrubro finalizou, Fábio desviou e Cacá evitou o segundo gol dos donos da casa em cima da linha.

Já nos minutos finais, veio o balde de água fria para as pretensões alvirrubras. Após cruzamento da esquerda, Aírton aproveitou o espaço dado pela marcação pernambucana e testou no canto esquerdo de Jefferson, dando números finais o placar.

Gol de empate da Raposa (Imagem: Sportv)

Com o resultado, o Timbu chegou aos 19 pontos na tabela da Série B, mas permanecendo na 16ª posição. Na próxima rodada, o compromisso dos alvirrubros será contra o CSA, no sábado (31), no Rei Pelé.

Créditos da foto principal: Caio Falcão/Náutico

Como joga taticamente o Botafogo-PB, próximo adversário do Santa Cruz

Por: Anderson Santana e Felipe Holanda

O Santa Cruz tem mais um compromisso importante na Série C do Brasileiro: recebe o Botafogo-PB, no Arruda, pela 12ª rodada. Separamos para a torcida coral tudo sobre o próximo adversário: provável escalação, jogadores para ficar de olho e muito mais.

Comandado por Rogério Zimmermann, o Belo deve ir a campo diante do tricolor no 4-2-2-2, flertando com o 4-3-3 defensivo, tendo o meio povoado, os pontas dando amplitude e acionando os homens de frente, mas priorizando as primeiras linhas.

Disposição tática dos paraibanos (Feito no Tactical Pad)

COMO ATACA

Uma das principais armas ofensivas é a investida dos laterais, que sobem para cruzar na área, enquanto os pontas centralizam. Quem chega mais para o apoio é o lateral-direito Marcos Martins, velho conhecido da torcida coral; no frame abaixo, o reserva Kellyton estava no lance.

Investida ofensiva do Belo (Imagem: DAZN)

Na saída de bola, o time paraibano costuma utilizar uma esquema 3+3+1, verticalizando a posse para encontrar possíveis espaços na marcação adversária.  

Saída de bola dos tricolores (Imagens: DAZN)

O Botafogo é um time que sabe valorizar a posse de bola e trocar passes com calma, cansando a marcação em muitas vezes e podendo, assim, ter superioridade, postado no 4-3-1-2.

Belo no início na transição ofensiva (Imagem: DAZN)

COMO DEFENDE

O ponto fraco defensivo do Botafogo-PB é a exposição após as subidas dos laterais. Dessa forma, a equipe paraibana dá espaços que podem ser aproveitados pelos próprios laterais ou pontas do Santa.

Espaço dado pelos paraibanos (Imagem: DAZN)

No lado direito da defesa, o caso é ainda mais grave, onde o espaço costuma ser ainda maior. Pego no contra-ataque, os comandados de Zimmermann tendem a errar.

Zaga do Botafogo-PB exposta (Imagem: DAZN)

PRA FICAR DE OLHO

Ramon (ATA) – Jogador tem três gols em nove jogos nesta série C e é o principal goleador da equipe desde da saída de Lohan para o América-MG. A defesa coral vai ter que dobrar as atenções para o goleador do belo.

Marcos Martins ( LD ) – Uma das suas qualidades é a batida na bola. Ele teve uma boa passagem pelo Santa Cruz em 2019, atuando em 30 jogos e, com sete assistências para gol, foi o jogador que mais serviu companheiros.

Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz

Higor Leite ( Meia ) – Um dos principais articuladores do Belo, que tem como características a criatividade, enfiada de bolas aos atacantes e busca por aproximação à área adversária, com chutes de média e longa distâncias.

Quem não joga: Fred e Rogério. Luís Gustavo, Marcos Martins, Vitinho e Erivelton estão pendurados.

Como joga taticamente o Cruzeiro, próximo adversário do Náutico

Por: Mateus Schuler

O Náutico tem, neste domingo (25), um confronto direto na parte de baixo da Série B do Brasileiro: o Timbu recebe o Cruzeiro às 16h, nos Aflitos, pela 18ª rodada. Separamos para a torcida alvirrubra tudo sobre o próximo adversário: provável escalação, jogadores para ficar de olho e muito mais.

Treinada por Felipão, a Raposa era tratado como um dos times mais fortes da competição logo no início, pois é um dos multicampeões nacionais, mas a sequência negativa o deixou no Z-4. Contra a equipe da Rosa e Silva, deve ir a campo no 4-2-3-1, tendo o setor ofensivo como principal preocupação para Gilson Kleina; em especial, Régis, ex-Sport.

Time celeste deve ir a campo no 4-2-3-1 diante do Timbu (Feito no Tactical Pad)

Daniel Guedes, que cumpriu suspensão diante do Operário-PR, está de volta à titularidade após ser substituído por Rafael, cria da base do Sport. Outras novidades cotadas entre os 11 são na lateral-esquerda e do meio para frente: Giovanni entra na lateral, enquanto que Machado faz a cabeça de área com Jádson, ex-Santa Cruz; no ataque, Airton ganha vaga de Marquinhos Gabriel e Sassá a de Marcelo Moreno.

COMO ATACA

Por ser apenas o segundo duelo de Felipão à frente dos mineiros, ainda não há um padrão de jogo definido, porém uma característica foi bem vista na estreia do comandante. O centroavante mostra boa movimentação ao abrir espaço na defesa adversária, recuando ao meio-campo, o que dá liberdade a um dos pontas para infilitrar na entrelinha defensiva.

Movimentação ofensiva da Raposa levou perigo ao Fantasma (Imagem: GE)

Frente ao Fantasma, Régis viu Arthur surgir ao trocar de posição com Marcelo Moreno e deu bom lançamento por cima da marcação. O ponta cruzeirense avançou livre e bateu com perigo à meta adversária, o que é um dos alertas à defesa alvirrubra.

Outro ponto que o sistema defensivo do Timbu precisa se atentar é com bola trocada na entrada da área. Na última partida, Airton disparou tranquilo, sem intervenções, e aproveitou a fragilidade da linha de defesa para servir Arthur; o ex-jogador do Santa Cruz explorou a falha de posicionamento e soltou o pé para marcar o único gol do jogo.

COMO DEFENDE

Na sua defesa, porém, a Raposa também tem dado descuidos. Contra os paranenses, o lateral-esquerdo deu brecha e um dos volantes precisou fazer a cobertura. Com isso, o zagueiro pela esquerda expôs a marcação, fazendo o setor ficar vulnerável para penetração do ataque adversário; caso tenha peças de velocidade, como ocorreu diante do Oeste, o Timbu poderá obter êxito.

Sistema defensivo da Raposa deu brechas diante do Fantasma (Imagem: GE)

PRA FICAR DE OLHO

Régis (MEI) – Autor de duas assistências, é um dos atletas cruzeirenses que mais esteve em gols na Segundona, pois marcou dois gols, acumulando 25% de participação direta; além disso, tem ajudado bastante na armação das jogadas ofensivas, já que é o meia-armador da equipe e quem mais encosta nos homens de ataque

ARTHUR (ATA) – Artilheiro da Raposa na Série B, com três gols, o ex-jogador é outro com 25% em participação direta nos tentos dos celestes; a última vez que marcou foi justamente na últma rodada, além de ter deixado sua marca contra Ponte Preta e América-MG. Sua única assistência foi diante do Vitória, com gol marcado – coincidentemente – por Régis

Quem não joga: Léo, Manoel (Covid-19), Henrique e Stenio no DM; Raul Cacéres (transição) e Maurício (seleção Sub-20)

O Timbu tenta se apegar aos números, nos Aflitos, como motivação para poder vencer a Raposa, que busca quebrar esse retrospecto negativo. As equipes se enfrentaram no Eládio de Barros Carvalho oito vezes: seis vitórias alvirrubras, um empate e um triunfo cruzeirense, somado em 2007; a última vez que duelaram foi em 2013, na Arena de Pernambuco, com goleada dos mineiros por 4 x 1, enquanto a primeira foi na semifinal da – extinta – Taça Brasil de 1967, com resultado positivo aos celestes por 2 x 1.